Economia regressa aos défices na balança comercial nove anos depois

O BdP vê a economia a crescer menos, mas mais à custa do consumo privado. A fatura chega em 2020 com a balança de bens e serviços a regressar a terreno negativo devido ao impulso das importações.

O Banco de Portugal (BdP) prevê que a economia portuguesa volte a apresentar um défice na balança comercial no próximo ano, em resultado do comportamento do consumo privado. Desde 2011 que a economia não apresentava um défice na balança de bens e serviços.

De acordo com o Boletim Económico do Banco de Portugal, publicado esta quinta-feira, a balança de bens e serviços vai registar um défice igual a 0,2% do PIB em 2020, depois de este ano apresentar um excedente de 0,2%.

Se as contas do banco central estiverem certas, isto significa uma interrupção na trajetória dos últimos anos, em que a balança comercial se manteve em terreno positivo. O último ano em que a balança foi negativa foi em 2011 (de 3,7% do PIB) quando Portugal começou a implementar o programa de ajustamento económico e financeiro acordado com a troika.

Evolução do saldo da balança de bens e serviços

Fonte: Banco de Portugal (dados para 2019, 2020 e 2021 são previsões)

“Ao longo do horizonte de projeção, e tal como em 2018, o contributo da procura interna para o crescimento do PIB será superior ao das exportações. Neste contexto, o crescimento das importações será maior do que o das exportações, o que se traduz num saldo negativo da balança de bens e serviços a partir de 2020“, diz o boletim publicado pelo banco central.

No entanto, nas previsões de dezembro do ano passado, o Banco de Portugal já via a economia portuguesa a registar um saldo negativo da balança de bens e serviços em 2018, o que acabou por não se verificar.

Ao longo do horizonte de projeção, e tal como em 2018, o contributo da procura interna para o crescimento do PIB será superior ao das exportações. Neste contexto, o crescimento das importações será maior do que o das exportações, o que se traduz num saldo negativo da balança de bens e serviços a partir de 2020.

Banco de Portugal

Apesar de apontar para uma degradação em 2020, a instituição prevê que a balança corrente e de capital mantenha uma posição excedentária até ao final do horizonte de projeção (2021), “com um contributo importante do aumento esperado das transferências da União Europeia (UE) neste período.

O défice comercial previsto para o próximo ano é o reflexo de um crescimento económico mais assente no consumo privado e em que as exportações perdem na comparação com as importações.

Em 2019, quando o PIB deverá aumentar 1,7%, a procura interna contribuiu com 1,3 pontos percentuais do PIB, enquanto as exportações dão uma ajuda de 0,4 pontos percentuais. No próximo ano, mais de dois terços do crescimento vem da procura interna, com as vendas para o exterior a explicarem o restante crescimento do PIB, que o banco central espera que seja igual ao de 2019.

Para este comportamento foram determinantes as revisões em alta face a dezembro no consumo privado e nas importações. O banco central vê o consumo das famílias a subir 2,7% este ano, sete décimas acima do que previa em dezembro, e as importações a crescer 6,3%, mais 1,6 pontos percentuais.

“O aumento do consumo privado está associado à evolução favorável do rendimento disponível real das famílias, que reflete o aumento do emprego e dos salários nominais, incluindo o salário mínimo em 2019, e a evolução contida dos preços”, diz o boletim económico do banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia regressa aos défices na balança comercial nove anos depois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião