Conselho das Finanças Públicas mais pessimista de todos. PIB cresce 1,6% em 2019

CFP diz que parece ter "terminado a fase de expansão" da economia portuguesa. Projeções traçam quadro mais sombrio para quem vencer legislativas de outubro.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) projeta um crescimento do PIB de 1,6% este ano, significativamente abaixo da previsão oficial do Governo que aponta para 2,2%. O número consta do relatório publicado pela instituição esta quinta-feira e é o mais pessimista entre as projeções avançadas até agora pelas organizações que acompanham a economia portuguesa. Mas as más notícias não ficam por aqui: se nada for feito pelo Governo que sair das legislativas de outubro para estimular a economia, ao longo da próxima legislatura o PIB cresce ainda menos.

A instituição presidida por Nazaré Costa Cabral divulgou hoje o relatório “Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2019-2023”. Este relatório é seguido com atenção por quem acompanha a economia nacional e o desempenho das contas públicas. Além disso, a publicação do documento em março serve como uma espécie de antecâmara para o Programa de Estabilidade que o Governo envia para Bruxelas em abril. Este ano, estes dois documentos (o do CFP e o do Executivo) têm um interesse adicional. Ambos traçam cenários para a próxima legislatura, fornecendo um quadro económico e orçamental à solução governativa que resultar das eleições legislativas marcadas para 6 de outubro.

A nova projeção do CFP constitui uma revisão em baixa face às projeções de setembro, quando o CFP apontava para um crescimento do PIB de 1,9%. Mas de lá para cá, têm sido várias as instituições internacionais a piorar as previsões para a Zona Euro, para onde Portugal dirige cerca de três quartos das suas trocas comerciais.

O CFP torna-se agora na organização com visão mais pessimista para Portugal. No início de fevereiro, Bruxelas atualizou as previsões, indicando esperar que Portugal cresça 1,7% este ano. Este era o pior cenário macroeconómico traçado para a economia portuguesa, estatuto que pertence agora ao CFP.

A cerca de um mês do envio para o executivo comunitário do Programa de Estabilidade aumenta a pressão sobre o Governo português para que corte nas suas previsões. O ministro das Finanças já admitiu que o poderá fazer – até já quantificou a revisão que antecipa e que não vai além de “duas décimas” face aos 2,2%. Os economistas ouvidos pelo ECO consideraram que esta alteração para uma previsão de crescimento de 2% pode não chegar, uma tese reforçada com os números avançados esta quinta-feira pelo CFP.

Quanto vai crescer a economia este ano?

Se a projeção do CFP se concretizar, será preciso recuar a 2014 para encontrar um desempenho da economia mais fraco. Neste, que foi o ano em que a troika saiu de Portugal depois da implementação de um programa de ajustamento económico e financeiro durante três anos, a economia cresceu 0,9%, crescimento que duplicou no ano seguinte.

Além disso, o quadro traçado pelo CFP que vai até 2023, cobrindo assim o período de uma legislatura, mostra também que o ciclo que se antevê é de abrandamento. A projeção para 2019 é a melhor, já que nos anos seguintes a economia deverá crescer sempre menos.

O novo enquadramento internacional leva o CFP a afirmar que “a economia portuguesa aparenta assim ter terminado a fase de expansão e estar a iniciar a fase descendente do ciclo num enquadramento internacional com riscos descendentes acrescidos”.

Até 2023, a procura externa líquida mantém o seu contributo negativo para o PIB e a procura interna mantém-se como motor do crescimento, mas de forma mais moderada. Apesar disso, no mercado da trabalho a taxa de desemprego continuará a baixar e o emprego a crescer, embora a um ritmo menor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho das Finanças Públicas mais pessimista de todos. PIB cresce 1,6% em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião