BCE lucra 7,9 mil milhões com dívida portuguesa desde 2010

O Banco Central Europeu lucrou, até ao final de 2018, quase 8 mil milhões de euros com a compra de dívida pública portuguesa desde 2010. Isto só com o primeiro programa criado no verão de 2010.

O Banco Central Europeu terá tido um lucro de quase 8 mil milhões de euros com a compra de dívida pública portuguesa desde 2010, só contando com o primeiro programa de compra de dívida que foi criado para estabilizar os mercados no verão de 2010, na sequência do pedido de resgate da Grécia.

De acordo com as contas da instituição liderada por Mario Draghi, o BCE já recebeu efetivamente 7,1 mil milhões de euros entre 2010 e 2017 ao abrigo do Securities and Markets Programme (SMP) — um programa que foi entretanto extinto –, e estima em cerca de 800 milhões de euros o lucro com a dívida pública portuguesa que venceu ao longo do ano passado.

No relatório que dá resposta às questões do Parlamento Europeu sobre o relatório anual do BCE de 2017, e que acompanha a entrega do relatório anual do BCE relativo a 2018 também ao Parlamento Europeu, o BCE decidiu responder ao pedido dos eurodeputados enviando as contas completas sobre os lucros que teve com este programa que esteve ativo durante o período mais crítico da crise das dívidas soberanas.

O lucro que o BCE consegue com a compra desta dívida resulta não apenas dos juros que são pagos pelos países e que ficaram estabelecidos na altura da sua emissão, mas também da diferença entre o valor do capital em dívida (que é amortizado na totalidade quando a dívida chega à data de vencimento) e o valor ao qual os detentores desta dívida venderam esta dívida no mercado secundário ao BCE.

Para além dos 7,9 mil milhões de euros de lucros com a dívida portuguesa que terão chegado aos cofres do BCE apenas através deste programa, o BCE estima vir a receber ainda mais 5,3 mil milhões de euros relativos à dívida pública portuguesa que ainda não atingiu a maturidade, que elevaria para 13,2 mil milhões de euros o lucro que a instituição teve com Portugal.

O país que mais lucro terá gerado aos cofres do banco até ao momento terá sido a Itália, que pela sua dimensão também exigiu um maior esforço de investimento da parte do banco central. Os lucros conseguidos pelo BCE com este programa são distribuídos pelos bancos centrais dos países do euro de acordo com a sua participação no capital do BCE.

Neste caso, a exceção à regra é a Grécia. Depois da reestruturação da dívida pública daquele país em 2012, a Grécia e os parceiros internacionais chegaram a um acordo para que os lucros do BCE com a compra da sua dívida ao abrigo do SMP fossem todos para os cofres gregos. Como o BCE não pode, ao abrigo dos seus estatutos, financiar diretamente um país, os restantes países do euro aceitaram transferir dos seus orçamentos do estado para os cofres gregos o valor equivalente ao lucro que os seus bancos centrais recebem, mediante o cumprimento das condições exigidas pelos credores ao abrigo do segundo (e mais tarde também do terceiro) programas de resgate.

Isto não significa que a Grécia tenha recebido todo o lucro deste programa desde o início, uma vez que o acordo com os parceiros europeus só começou no final de 2012 e chegou a estar interrompido quando terminou o segundo programa de resgate.

No total, o BCE já terá tido um lucro de 72,6 mil milhões de euros com este programa e ainda poderá receber mais 74,3 mil milhões de euros. Os lucros são distribuídos em dividendos aos bancos centrais nacionais, que por sua vez os transferem para os respetivos cofres públicos na distribuição anual de dividendos que os próprios fazem.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE lucra 7,9 mil milhões com dívida portuguesa desde 2010

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião