Depois do BPI, BCP também vai cobrar pelas transferências MB Way

O BCP vai passar a cobrar 0,52 euros por cada transferência MB way feita através da sua app. O preço sobe para 1,248 euros se a transferência for feita através da app do MB way.

Depois do BPI, chega a vez de o BCP também anunciar que vai passar a cobrar pelas transferências MB Way. A cobrança passará a ser efetuada a partir de 17 de junho, revela o preçário atualizado pela instituição financeira liderada por Miguel Maya nesta segunda-feira. O custo a cobrar vai variar consoante a plataforma utilizada, havendo ainda a isenção para clientes com soluções integradas, como é o caso do “cliente frequente”.

A atualização de preçário que entra em vigor a 17 de junho prevê que os clientes do BCP que a partir dessa data utilizem a app Millennium para realizarem transferências MB Way passem a pagar 0,5 euros, a que acresce Imposto do Selo (IS) a uma taxa de 4%, por cada operação. Ou seja, 0,52 euros.

Já os clientes que façam o mesmo tipo de transferências, mas utilizem a app MB Way, o custo de cada operação passa a cobrar 1,20 euros, acrescido de IS à mesma taxa. O valor final fica em 1,248 euros.

Contudo, há clientes que vão continuar a não ver cobrado qualquer valor pela realização de transferências MB Way. Nesse conjunto, incluem-se aqueles que têm contas com algumas soluções integradas. Especificamente: “Cliente Frequente”, “Millennium GO!”, “Programa Prestige, “Programa Prestige Direto” e “Portugal Prestige”. Clientes com até 23 anos de idade também não pagam por esse serviço.

Fonte oficial do BCP adiantou ao ECO que mais de metade dos clientes são abrangidos por essas isenções. Mais de um milhão dos cerca de dois milhões de clientes do BCP possuem contas que continuam a beneficiar da não cobrança de comissões pelas transferências MB Way.

O anúncio da intenção do BCP passar a cobrar pela realização de transferências MB Way acontece dois meses depois de o BPI também ter anunciado que a partir de 1 de maio, iria também passar a onerar este serviço. Contudo, neste caso, essa cobrança apenas será aplicada a transferências efetuadas através da app do MB Way

Na atualização de preçário divulgada no início de fevereiro, o banco liderado por Pablo Forero fixou em 1,248 euros o custo unitário de cada transferência MB Way. Transferências MB Way através da app do BPI vão manter-se isentas de qualquer encargo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do BPI, BCP também vai cobrar pelas transferências MB Way

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião