“Há um reforço da oferta para corresponder ao maior aumento da procura” dos passes, garante Costa

O primeiro-ministro diz que, com o aumento da procura dos passes com preços reduzidos, a oferta está a ser reforçada, nomeadamente através da aquisição de mais composições para Metro e CP.

António Costa viajou esta segunda-feira entre a Ericeira, no concelho de Mafra, e Setúbal passando por Lisboa.Hugo Amaral/ECO

No dia em que entra em vigor a redução dos preços nos transportes públicos em Lisboa e no Porto, o primeiro-ministro garante que “há um reforço da oferta para corresponder ao maior aumento da procura“. António Costa reitera que a medida “não tem nada de eleitoralista” e que já estava a ser trabalhada há muito tempo.

“Estamos a aumentar a oferta. Estão em aquisição 14 composições para o metro de Lisboa, 18 para o metro do Porto, 22 composições para a CP, e dez novos navios para a Transtejo”, adianta o primeiro-ministro, durante uma viagem de comboio da Fertagus para Setúbal, em declarações transmitidas pelas televisões.

Para além destas medidas, apontou também a retoma da velocidade comercial do metro de Lisboa para os 60 quilómetros por hora, que deve aumentar a oferta em 5%. António Costa admite, no entanto, que “haverá seguramente um período de ajustamento” nos transportes.

Quanto às críticas de que esta medida ocorre muito próxima das eleições, o primeiro-ministro garante que não é “eleitoralista”, e diz que a oposição andava “distraída”. “Há mais de um ano, em março de 2018, as duas áreas metropolitanas propuseram esta medida”, relembra Costa, que aponta também que o plano estava inscrito no Orçamento do Estado e que a oposição votou contra. “Porventura chama-lhe eleitoralista porque está arrependida de ter votado contra”, atira.

Ainda sobre as questão do timing da medida, o primeiro-ministro defende que “não faz sentido é parar o país porque vamos ter três eleições, porque senão o país não fazia mais nada este ano”. Distinguiu ainda as declarações dos partidos do que tem sido dito pelos autarcas, de quem diz não ter ouvido muitas críticas, “porque sabem que chega a todo o país”.

Primeiro dia do novo tarifário dos passes sociais da Área Metropolitana de Lisboa, assinalada com uma viagem entre Entrecampos e Setúbal - 01ABR19
António Costa, Fernando Medina, Matos Fernandes e Pedro Nuno Santos na chegada a Setúbal.Hugo Amaral/ECO

O primeiro-ministro viajou nesta segunda-feira entre a Ericeira e Setúbal utilizando os transportes públicos. António Costa começou a viagem às 07h30, na Ericeira, concelho de Mafra, e apanhou o autocarro com o presidente da Câmara, o social-democrata Hélder Silva, até ao Campo Grande, partindo depois de metro até à estação de Entrecampos.

Daí, já com os ministros do Ambiente e Infraestruturas, Matos Fernandes e Pedro Nuno Santos, e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, a comitiva seguiu de comboio até Setúbal. O primeiro-ministro participa em seguida numa cerimónia na Câmara Municipal de Setúbal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Há um reforço da oferta para corresponder ao maior aumento da procura” dos passes, garante Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião