Centeno: “O investimento não é como o ‘Anita vai às compras'”

  • ECO
  • 2 Abril 2019

O ministro das Finanças tem uma explicação para o facto de o investimento público não estar a crescer tanto quanto o previsto: há falta de propostas nos concursos públicos.

“O investimento não é como o Anita vai às compras. o vamos com o Pantufa, com um cesto, comprar investimento.” A frase é do ministro das Finanças, Mário Centeno, em resposta ao facto de o crescimento do investimento público estar muito abaixo do previsto pelo Governo no Orçamento do Estado (OE).

O ministro defende-se, indicando que “o orçamento é uma autorização de despesa” e que “o Governo só pode gastar aquilo que o Parlamento autoriza”. “O investimento tem concursos e às vezes os concursos ficam desertos. Tem acontecido durante este ano, porque ninguém faz propostas abaixo do preço que a Administração Pública coloca como valor máximo de licitação”, remata Mário Centeno.

As declarações surgem numa entrevista ao Público esta terça-feira (ligação indisponível). O jornal aponta que o investimento público não cresceu 40%, como estava previsto no OE, mas apenas perto de 10%. Face aos números, Centeno faz o contraponto: “Nesta legislatura, a percentagem de investimento que é executada face àquela que estava orçamentada tem sido, em média, da ordem dos 86,5%. Na legislatura anterior, o valor foi de 84%”, atira.

Na entrevista, o governante confirmou também que, no Programa de Estabilidade (PE) que vai ser apresentado pelo Governo dentro de duas semanas, a meta do défice vai-se manter em 0,2%.

Apesar de não revelar qual vai ser a previsão de crescimento da economia portuguesa este ano, o ECO avançou em primeira mão esta quarta-feira que a meta de crescimento do PIB vai ser revista, dos atuais 2,2% previstos no OE, para 1,9%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “O investimento não é como o ‘Anita vai às compras'”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião