CCA faz 70 anos e lança uma nova imagem

Escritório renova imagem com novo logótipo, identidade visual, cor e website. Sociedade deixa de estar integrada na Ontier para assumir posição e estratégia mais vincadas.

No ano em que assinala 70 anos, a sociedade de advogados CCA acaba de renovar a sua imagem e lança uma nova identidade visual, com um novo logótipo, nova cor, novo grafismo e novo website. O objetivo? Refletir o atual posicionamento estratégico da CCA, fortemente vocacionado para o apoio à internacionalização dos seus clientes, apoio às empresas líderes da economia digital.

“Esta nova imagem assinala não só os 70 anos da CCA, mas também a sua convergência com o nosso posicionamento estratégico: queremos continuar a ser a sociedade de advogados de referência no que toca à inovação tecnológica e digital, quer do ponto de vista externo (áreas e assessoria), quer do ponto de vista interno (ao nível dos processos, procedimentos e relação com o cliente)”, diz Domingos Cruz, managing partner, citado em comunicado.

Com este modelo pretendemos reforçar o nosso relacionamento com as indústrias que estão a sofrer o impacto das tecnologias, através de soluções com base no nosso know-how, adquirido a trabalhar com grandes multinacionais tecnológicas, PME e startups“.

“Este nosso posicionamento marca igualmente uma mudança da relação com a Ontier”, explica o advogado. “Deixamos de integrar a Ontier, o que nos permite assumir de forma clara a nossa atual estratégica”, ainda que os escritórios mantenham um fluxo de trabalho com a Ontier, “mas de forma separada e independente”.

Esta mudança marca o 70.º aniversário da sociedade de advogados fundada por Fernando Cruz em 1949 e será acompanhada por vários novos projetos que serão apresentados ao longo do ano, dos quais se destaca o lançamento, no passado mês de março, do Centro de Conhecimento e Inovação CCA ON.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CCA faz 70 anos e lança uma nova imagem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião