CCA lança Centro de Conhecimento e Inovação CCA ON

A Sociedade de Advogados CCA ONTIER acaba de lançar o CCA ON, um Centro de Conhecimento e Inovação que tem como principal objetivo unir sinergias na área da partilha do saber.

A sociedade de advogados CCA ONTIER acaba de lançar o CCA ON, um Centro de Conhecimento e Inovação que tem como principal objetivo unir sinergias na área da partilha do saber entre a CCA, Universidades, Empresas, Parceiros e Comunidade. Pretende-se aproveitar o know-how destas entidades para promover competências em áreas chave sejam elas a programação, o direito, a psicologia, a economia digital, as novas tecnologias, entre outras. O propósito do CCA ON é centralizar e diversificar o conhecimento e a investigação, através de um conjunto de parcerias como, por exemplo, a EBA (Emotional Business Academy) vocacionada a investigação e análise comportamental.

Para Rita Cruz, responsável pelo projeto, “CCA ON significa ligado e tem na sua base a ideia de uma plataforma inovadora apta a ligar quatro vetores fundamentais: advogados, estudantes, empresas e comunidade. Ligar os advogados às empresas, em especial as que operam no setor tecnológico ou as que viram os seus modelos de negócios alterados por via da evolução tecnológica, no sentido de se refletir e formar reciprocamente para as novas realidades e desafios que este século impõe. Ligar os estudantes de direito aos advogados e às empresas, reconhecendo que o futuro dos advogados já não passa unicamente pelas áreas tradicionais do direito, que a advocacia é também inovação, que são as novas tecnologias e que muito provavelmente o ‘advogado típico’ que conhecemos irá desaparecer num futuro próximo. Por fim, o CCA ON terá também uma componente forte de responsabilidade social, ligando advogados à comunidade, em especial a projetos do terceiro sector.”

Para Rui Mergulhão Mendes, Fundador e Diretor Pedagógico da EBA, “A parceria com o CCA ON pretende pensar nas novas competências na área da comunicação – o que é que o novo advogado necessita de saber. Destas competências destacamos: a análise da linguística, a análise do body language, da expressão facial – tudo aquilo que nos é comunicado. Acho essencial hoje em dia, na área da justiça, saber determinar tudo aquilo que nos é comunicado independentemente daquilo que nos é dito. Se há sector de atividade em que a descoberta da verdade é fundamental, o da justiça é um deles.”

O lançamento do CCA ON, que teve lugar no passado dia 12 de março na Universidade Nova de Lisboa. O primeiro evento está já agendado para maio e será em parceria com a ELSA Portugal (The European Law Students´Association).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CCA lança Centro de Conhecimento e Inovação CCA ON

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião