Klaus Regling vê “fatores de risco”, mas afasta recessão

  • ECO
  • 4 Abril 2019

o presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade reconhece alguns "fatores de risco" no cenário económico global, mas afasta um cenário de recessão. Há emprego e os juros estão baixos, recorda.

Numa altura em que os investidores mostram-se receosos perante a possibilidade de uma inversão no ciclo de crescimento da economia mundial, Klaus Regling não vê motivos para grande alarme: “Não há razão para esperar que isto afunde e acabe numa recessão”, disse o presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago).

“Muitos países, incluindo Portugal, continuam a criar emprego e os salários estão a subir. Há mais pessoas empregadas e que ganham um pouco mais e isso deve estabilizar o consumo e a procura doméstica. O investimento também deverá aumentar porque há constrangimentos de capacidade em muitos países. E a rendibilidade do setor empresarial como um todo é relativamente boa”, disse Regling ao jornal português.

Além disso, o líder do Mecanismo Europeu de Estabilidade lembra que “as taxas de juros estão baixas” e que, “pela primeira vez em dez anos, a Zona Euro terá uma expansão moderada”. “É um ambiente em que é muito difícil ver uma recessão”, garantiu.

O economista reconhece, apesar de tudo, que os Estados Unidos têm mais margem para reagir a uma crise do que o Banco Central Europeu, mas reitera a confiança na solidez da economia.

Ainda assim, vê alguns “fatores de risco” no horizonte. É o caso das tensões comerciais sino-americanas, o abrandamento da economia chinesa e o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

Comentários ({{ total }})

Klaus Regling vê “fatores de risco”, mas afasta recessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião