Apple Music ultrapassa Spotify nos utilizadores premium nos EUA. Já são 28 milhões

A disputa entre os dois maiores players do mundo da música está cada vez mais renhida. Isto porque, em fevereiro, o número de subscritores premium da Apple Music ultrapassou o do Spotify.

A luta pelo pódio de streaming de música está cada vez mais renhida. Embora se tenha somado mais um player, o Youtube Music, a liderança continua a ser disputada pela Apple Music e pelo Spotify. E parece que a empresa da marca da maçã está a levar a melhor, pelo menos de acordo com os dados relativos a fevereiro. De acordo com fontes do mercado, citadas pelo The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês), a Apple Music já ultrapassou o Spotify no número de utilizadores premium.

Apple Musicfreestocks.org/Flickr

Os utilizadores que pagam pela Apple Music têm crescido entre 2,6% a 3% por mês, enquanto aqueles que pagam pelo Spotify sobem apenas 1,5% a 2%, disseram as mesmas fontes. Em fevereiro, a Apple Music já contava com 28 milhões de utilizadores premium nos Estados Unidos, um número que compara com os 26 milhões da empresa sueca.

Esta “competição” pode ser comprovada pelo facto de o Spotify ter intensificado as suas campanhas de marketing de forma a manter a liderança, tais como várias promoções. Recentemente, o Spotify apresentou mesmo uma queixa à Comissão Europeia, alegando que a Apple estava a abusar do seu controlo sobre a Apple Store.

Estes números mostram um claro avanço, embora não sejam revelados oficialmente pelas empresas. Contudo, se forem tidos em conta todos os subscritores, a nível global, o Spotify leva vantagem. Em dezembro, a empresa sueca anunciou que tinha 207 milhões de utilizadores mundiais, 96 milhões dos quais eram premium ou estavam a testar esse serviço. A Apple Music, que não oferece opção gratuita, conta com mais de 50 milhões de utilizadores premium.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple Music ultrapassa Spotify nos utilizadores premium nos EUA. Já são 28 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião