Ministro das Finanças admite reembolsar credores europeus já este ano

  • Lusa e ECO
  • 6 Abril 2019

A ideia de antecipar os reembolsos aos credores europeus já tinha sido avançada ao ECO pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, admitiu que Portugal pode iniciar o processo de amortização da dívida junto dos credores europeus já este ano, antecipando o pagamento previsto para 2020-2023. A ideia de antecipar os reembolsos dos empréstimos europeus já tinha sido avançada ao ECO pelo secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix.

“Neste momento, não existe nenhum tipo de dívida ao Fundo Monetário Internacional e iniciámos o processo, que é sempre um processo técnico de avaliação do melhor momento e da oportunidade para o fazer, de amortização antecipada da dívida no contexto europeu, o que aliás reflete muito bem o extraordinário desenvolvimento que houve nos mercados de financiamento no seu custo da dívida portuguesa”, avaliou.

Em declarações aos jornalistas em Bucareste (Roménia), onde se encontra para participar na reunião informal dos ministros da Economia e das Finanças da União Europeia, Mário Centeno reconheceu que a expectativa do Governo é que, durante este ano, possa antecipar o pagamento dos empréstimos contraídos junto dos credores europeus durante o período da troika.

“Há dois anos, quando olhávamos para a estrutura da nossa dívida, percebíamos quão cara era a dívida do Fundo Monetário Internacional, mas quão alinhada estava com o resto do custo de endividamento a componente europeia. Hoje já não é assim, porque no mercado Portugal se financia a custos muitíssimo baixos”, indicou.

Em entrevista ao ECO, o secretário de Estado Adjunto e das Finanças já tinha colocado em cima da mesa a hipótese de “um reembolso antecipado dos empréstimos europeus em 2019, caso tal permita reduzir o custo do financiamento e melhorar a sustentabilidade da dívida”.

O Mecanismo Europeu de Estabilidade aprovou em dezembro a renúncia ao reembolso antecipado de Portugal do empréstimo do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), permitindo assim o reembolso antecipado ao FMI.

O Conselho de Administração do FEEF, um dos três credores oficiais do programa de ajuda externa a Portugal (2011-2014), “decidiu renunciar ao reembolso obrigatório dos empréstimos” concedidos ao país ao abrigo deste fundo, comprometendo-se Portugal a pagar antecipadamente a este credor até dois mil milhões de euros entre 2020 e 2023.

O acordo de empréstimo entre o FEEF – os credores europeus – e Portugal especificava que, quando é feito um pagamento antecipado ao FMI, um montante proporcional da assistência financeira providenciada ao abrigo do FEEF deve também ser liquidado, podendo, todavia, os credores europeus decidir prescindir dessa obrigatoriedade, o que sucedeu.

No quadro do programa de assistência financeira (2011 a 2014), Portugal beneficiou de ajuda externa no valor de 78 mil milhões de euros, providenciada, em partes iguais (um terço cada) pelo FEEF, União Europeia e FMI.

Enquanto as maturidades da dívida do FMI, totalmente amortizada em 10 de dezembro, estavam concentradas entre 2021 e 2023, os reembolsos ao FEEF e à UE estendem-se até 2042.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro das Finanças admite reembolsar credores europeus já este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião