Rio defende que Estado mantenha maioria do capital, mas admite privados na CGD

Presidente do PSD admite que a Caixa Geral de Depósitos pode vir a ser alvo de privatização, mas mantendo a posição de maioria do Estado.

O líder do PSD admitiu esta segunda-feira, em mais uma edição dos ECO Talks, a eventual privatização da Caixa Geral de Depósitos. Falando sobre a importância do banco público no financiamento da economia, Rui Rio admitiu abrir o capital a investidores privados, mas recusa que o Estado possa deixar de ter o controlo da instituição. “Sou favorável a que a CGD mantenha uma maioria pública de capital, mas estou aberto à abertura de critérios de gestão privados”, afirmou.

Um modelo que procurou implementar na Águas do Porto, enquanto presidente da Câmara da Invicta, mas sem sucesso por falta de adesão dos privados. “Os critérios que impus eram talvez demasiado apertados na defesa do interesse público”, disse.

A manutenção da maioria do capital no Estado visa, de acordo com o líder do PSD, que o banco público não desvirtue o seu papel no financiamento da economia, nomeadamente na questão das PME. “A sua função terá que ser naturalmente de apoio às PME que é o fundamental do tecido empresarial português. No passado, deu o que deu”, diz.

Já antes, com a conversa centrada na II Comissão de Inquérito à gestão da CGD, Rui Rio tinha alertado para as “muito estreitas relações entre alguns devedores e a CGD”. Sobre essas, que terão levado o banco estatal a registar perdas avultadas, a situação “é tão óbvia, que não tenho comentário”. “Tenho a resposta que dará o bom senso”, rematou.

O líder do PSD considerou ainda que as audições que se realizaram nas últimas duas semanas permitiram esclarecer o papel do regulador na situação da CGD. “Se a nossa opinião pelo desempenho do Banco de Portugal, e do ex-Governadores e do atual Governador, era má, penso que ficou um pouco pior ainda”.

Rio criticou Carlos Costa, ironizando com Vítor Constâncio. “O Dr. Vítor Constâncio cometeu diversos erros, até que foi premiado para ir para número dois do Banco Central Europeu”, notou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio defende que Estado mantenha maioria do capital, mas admite privados na CGD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião