FMI agrava previsão de défice para Portugal para 2019. Vê défice três vezes maior que Centeno

O Fundo revê em alta previsão de défice e da dívida pública para este ano. Más notícias para Centeno em cima da atualização do Programa de Estabilidade.

Faltam cinco dias para Lisboa enviar para Bruxelas o Programa de Estabilidade para 2019-2023 e de Washington chegam sinais de aviso. Com menos PIB, o défice vai ser maior. O Fundo Monetário Internacional (FMI) piorou a previsão para o défice deste ano, antevendo agora que ele fique em 0,648%, o triplo do objetivo traçado pelo Governo português, que Mário Centeno se prepara para manter na atualização do documento que segue para a Comissão Europeia.

Em outubro, o FMI previa que o défice deste ano ficasse em 0,4% do PIB, uma projeção já pior do que a do Executivo. Na atualização que fez à base de dados do World Economic Outlook, que foi publicado esta terça-feira, a projeção para o saldo orçamental degrada-se, para um défice de 0,648%. Um valor que corresponde ao triplo da meta do Governo e iguala a previsão que a Comissão Europeia tem para Portugal. Se se confirmar, significa que Portugal piora o desempenho orçamental face a 2018, quando conseguiu um défice de 0,5%.

Para esta quarta-feira está agendada a publicação do Fiscal Monitor, um documento do FMI sobre a área orçamental. Mas a nova previsão consta da atualização feita, entretanto, à base de dados do Fundo, como avançou primeiro o Expresso.

O FMI está também mais pessimista quanto à dívida pública. Esta ainda vai diminuir este ano para 119,5%, mas este rácio fica um ponto percentual do PIB acima do previsto pelo Governo no Orçamento e mais 1,7 pontos percentuais que o previsto pelo FMI em novembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI agrava previsão de défice para Portugal para 2019. Vê défice três vezes maior que Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião