Pessimismo do FMI pinta bolsas de vermelho. Lisboa cai

O FMI cortou as previsões de crescimento para a Europa, revendo também as estimativas para Portugal. O pessimismo do Fundo acabou por contagiar os investidores, ditando a queda das bolsas.

Lisboa reagiu mal às novas previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), que cortou a estimativa de crescimento de Portugal para 1,7% este ano. Ao mesmo tempo que o Fundo reviu em baixa as projeções para o PIB da Zona Euro, também a ameaça de Donald Trump de impor tarifas às importações europeias fez aumentar os receios dos investidores, levando à queda das bolsas na Europa.

O índice de referência nacional, o PSI-20, terminou a sessão com perdas de 0,67% para 5275,60 pontos, no dia em que o FMI divulgou que cortou a previsão de crescimento para Portugal em uma décima para 1,7% este ano, colocando-se assim ao lado da Comissão Europeia e do Banco de Portugal, que apontam para o mesmo número.

Apesar de mais pessimista, o Fundo Monetário Internacional ainda vê Portugal a crescer mais do que a Zona Euro em 2019. Contudo, de acordo com o World Economic Outlook, em 2020 isso já não acontecerá. Isto num contexto de abrandamento de todos os países do euro. O FMI vê a região a crescer apenas 1,3%.

O Stoxx 600, índice de referência da Europa, caiu 0,35%, desempenho negativo que se observou na generalidade dos índices do Velho Continente. Foi a reação ao FMI, mas também à ameaça de uma guerra comercial entre os EUA e a Europa, isto depois de a Comissão Europeia ter anunciado que começou a delinear planos de retaliação contra os EUA, que planeiam aplicar tarifas na ordem dos 11 mil milhões de dólares sobre os bens exportado.

Só a Galp Energia escapou

Em Lisboa, apenas uma das 18 cotadas resistiu às quedas, numa sessão em que a negociação foi pintada de vermelho. Foi a Galp Energia, que avançou 0,14% para 14,375 euros, isto apesar de também os preços do petróleo terem recuado perante receios de abrandamento da economia mundial.

Todas as outras cotadas do PSI-20 recuaram. No setor das papeleiras, a Altri recuou 1,99% para 7,13 euros, enquanto a Navigator e a Semapa desvalorizaram 0,82% cada para 4,124 euros e 15,54 euros, respetivamente. A Navigator cedeu no dia em que Diogo da Silveira saiu da liderança.

A família EDP também não escapou à tendência negativa. A EDP recuou 1,19% para 3,473 euros, enquanto a EDP Renováveis perdeu 0,82% para 8,49 euros.

Na família Sonae, o sentimento foi semelhante, com a Sonae a cair 0,16% para 0,933 euros e a Sonae Capital a desvalorizar 1,78% para 0,882 euros. A Mota-Engil foi, contudo, a cotada que mais desvalorizou. No final da sessão, a construtora recuou 2,02% para 2,236 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pessimismo do FMI pinta bolsas de vermelho. Lisboa cai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião