Estes são os 6 riscos que o FMI vê para a economia mundial

O FMI cortou as previsões para a economia mundial em três décimas para 3,3% este ano. O Fundo identifica seis riscos que, se se materializarem colocam o mundo a crescer ainda menos.

O FMI cortou as previsões para a economia mundial em três décimas para 3,3% este ano, revelou a instituição no World Economic Outlook publicado esta terça-feira. A deterioração das projeções confirma a expectativa criada na semana passada por Christine Lagarde quando avisou que 70% do mundo está a abrandar. E o cenário pode piorar. O Fundo identifica seis riscos que, se se materializarem, colocam a economia mundial a crescer ainda menos.

Os seis riscos são:

  1. As tensões comerciais continuam a ser uma preocupação. Houve avanços nas relações entre os EUA e a China, mas há resultados que ainda dependem do processo de negociação. Além dos impactos diretos, o Fundo admite que e a incerteza e o receio de uma escalada protecionista minem o investimento por parte das empresas;
  2. As projeções do Fundo assumem uma recuperação na Zona Euro, apoiada num cenário que evita uma saída desordenada do Reino Unido, que as medidas de estímulo adotadas pelo governo chinês provocam efeitos, e que o impacto do pacote fiscal nos EUA começa a desaparecer. Qualquer evolução diferente pode pôr em causa a previsão do crescimento mundial;
  3. Os ciberataques constituem uma fonte de risco para os mercados financeiros, já que estes podem ter um efeito “disruptivo severo” nos sistemas de pagamentos e na circulação de bens e serviços;
  4. Os riscos políticos relacionados com a agenda de novos governos saídos de eleições, com o conflito no Médio Oriente ou com as tensões na Ásia Oriental podem, quando combinados, ter um efeito prejudicial no crescimento;
  5. Como riscos de médio prazo, o Fundo vê o impacto que as alterações climáticas podem ter na economia global, como a falta de confiança nas instituições e nos partidos políticos, que leva a uma polarização menos facilitadora de reformas;
  6. A evolução das matérias-primas é outra das incertezas. Um painel de informação, que compara preços das matérias-primas com a inflação, mostra que os riscos para o crescimento global são agora maiores.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes são os 6 riscos que o FMI vê para a economia mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião