Juros da dívida a 10 anos caem para mínimo histórico. Taxa está nos 1,212%

  • Lusa
  • 9 Abril 2019

Às 08:40 em Lisboa, juros da dívida portuguesa a 10 anos estavam a descer para 1,212%, e no prazo a cinco anos títulos estavam a recuar para 0,147%, ambos mínimos de sempre.

Os juros da dívida portuguesa estavam esta terça-feira de manhã a descer a dois, cinco e 10 anos. Nestes dois últimos prazos, os valores estavam em para mínimos de sempre. Cerca das 08:40 em Lisboa, os juros a 10 anos estavam a descer para 1,212%, um mínimo de sempre, valor que compara com os 1,222% na segunda-feira.

No prazo de cinco anos, os juros também estavam a recuar, para 0,147%, um mínimo de sempre, contra 0,149% na segunda-feira. No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a cair para -0,334%, contra -0,330% na véspera.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/juros-da-divida-portuguesa/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”613″ slug=”juros-da-divida-portuguesa” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/juros-da-divida-portuguesa/thumbnail?version=1553535541665&locale=pt-PT&publisher=eco.pt” mce-placeholder=”1″]

Os juros de Espanha estavam inalterados a dois anos e a cair a cinco e dez anos, enquanto os de Itália subiam a dois e cinco anos e recuavam a dez anos.

Os juros da Grécia desciam a cinco anos e mantinham-se a dez anos e os da Irlanda recuavam em todos os prazos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida a 10 anos caem para mínimo histórico. Taxa está nos 1,212%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião