Um dia depois de tomar posse, secretário de Estado do Ambiente renuncia ao cargo de presidente da Câmara

  • ECO
  • 12 Abril 2019

Um dia depois de tomar posse, o secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde Neves, renunciou ao cargo de presidente da Câmara da Figueira da Foz.

Um dia depois de ter tomado posse como secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde das Neves renunciou à presidência da Câmara Municipal da Figueira da Foz, cargo que ocupava desde 2009. De acordo com a notícia avançada pelo Expresso, o responsável explicou que só teve conhecimento das novas competências e das incompatibilidades um dia depois de assumir o novo cargo.

De acordo com uma fonte oficial, citado pelo mesmo jornal, a decisão de renúncia surgiu “quando tomou conhecimento da delegação de competências inerente ao seu cargo” esta sexta-feira de manhã. Com esta nomeação, também “caduca o seu mandato” como presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM).

Na noite desta quinta-feira, o Gabinete do ministro João Matos Fernandes foi questionado pelo Expresso sobre o tipo de intervenção que terá João Ataíde das Neves como secretário de Estado do Ambiente nos projetos da Câmara da Figueira da Foz que dependem do Ministério do Ambiente para avançar. Em resposta, fonte oficial indicou que o recente nomeado “pedirá escusa da apreciação de matérias sob a sua competência e que envolvam o município da Figueira da Foz”.

Com esta renúncia ao cargo de presidente da Câmara da Figueira da Foz, João Ataíde das Neves põe, assim, fim a três mandatos, para substituir Carlos Martins que se demitiu na sequência da nomeação do primo para adjunto do seu Gabinete. Esta nomeação, apesar de João Ataíde das Neves não ter um currículo ligado ao Ambiente, deve-se ao facto de o ministro João Matos Fernandes “o conhecer bem” e considerar que a sua experiência de dez anos como autarca o “qualifica politicamente para a função”.

(Notícia atualizada às 19h13 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um dia depois de tomar posse, secretário de Estado do Ambiente renuncia ao cargo de presidente da Câmara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião