João Ataíde das Neves é o novo secretário de Estado do Ambiente

O Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz é o novo secretário de Estado do Ambiente. Vai substituir Carlos Martins que apresentou a demissão na sequência da nomeação do primo para adjunto.

O atual presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, João Albino Rainho Ataíde das Neves, é o novo secretário de Estado do Ambiente, lê-se numa nota publicada esta segunda-feira no site da Presidência da República. Carlos Martins foi exonerado dessas funções, depois de se ter demitido na sequência da nomeação do primo para adjunto no seu gabinete.

“Nos termos do Artigo 133.º, alínea h) da Constituição, e sob proposta do primeiro-ministro, o Presidente da República exonerou Carlos Manuel Martins das funções de secretário de Estado do Ambiente e nomeou para aquelas funções João Albino Rainho Ataíde das Neves, atual Presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz”, lê-se na mesma nota. A tomada de posse vai acontecer a 11 de abril, pelas 18h00, no Palácio de Belém.

João Albino Rainho Ataíde das Neves eleito secretário de Estado do Ambiente.PAULO CUNHA/LUSA

Esta nomeação de João Ataíde das Neves surge na sequência da demissão apresentada por Carlos Martins. O ex-secretário de Estado do Ambiente demitiu-se depois de ser tornado público que nomeou o seu primo, Armindo dos Santos Alves, para adjunto no seu gabinete desde outubro do ano passado, sem ter informado o Ministério do Ambiente da relação familiar entre os dois.

Dos tribunais à política, passando pela Polícia

João Ataíde das Neves tem 60 anos e é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, pós-graduado em Direito do Setor Empresarial do Estado pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e participou no Programa de Capacitação Avançada de Líderes orientado pela Nova School of Business and Economics, lê-se no currículo publicado no site da Câmara da Figueira da Foz.

Conta com uma vasta experiência na área do Direito, tendo sido ainda juiz desembargador com licença sem vencimento do Tribunal da Relação de Coimbra, representante do Ministério Público da Comarca de Idanha-a-Nova e juiz auxiliar de Porto de Mós. Exerceu ainda funções na Comarca de Celorico da Beira e no Tribunal Judicial de Aveiro e foi também nomeado juiz para o Círculo Judicial da Figueira da Foz.

Passou ainda pela Polícia Judiciária de Coimbra como diretor nacional adjunto e, em 2004, pela Polícia Judiciária do Porto como diretor nacional adjunto. Mais tarde, regressou aos tribunais como juiz na Figueira da Foz, juiz auxiliar no Tribunal da Relação de Coimbra e juiz desembargador do Tribunal da Relação do Porto. Participou também em várias iniciativas internacionais sobre Tráfico de Seres Humanos.

Foi em outubro de 2009 que assumiu o cargo de presidente da Câmara da Figueira da Foz, assumindo, ao mesmo tempo e como suplente, funções de membro da Comissão Diretiva da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP). Atualmente é presidente da mesa da assembleia-geral de quatro entidades e, por inerência da função exercida na autarquia, é também presidente do conselho de administração da Figueira Parques EM.

Em 2013 voltou a ser eleito presidente da Câmara da Figueira da Foz, exercendo igualmente, desde o início de 2014, as funções de presidente do conselho intermunicipal da CIM Região de Coimbra.

(Notícia atualizada com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

João Ataíde das Neves é o novo secretário de Estado do Ambiente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião