Sem combustível, Meo admite limitar intervenções técnicas

A Altice Portugal ativou um plano de contingência para responder aos efeitos da greve no setor da distribuição de combustível. Admite intervenções técnicas só em casos urgentes.

A Altice Portugal já ativou um plano de contingência para responder aos efeitos da greve dos trabalhadores que transportam matérias perigosas. Numa altura em que já secaram alguns postos de combustível um pouco por todo o país, em que a paralisação não tem fim evidente à vista, a dona da Meo já tem um Gabinete de Crise em funcionamento. E admite vir a limitar as intervenções das equipas operacionais caso o problema persista.

“Na sequência da declaração de reconhecimento de crise energética por parte do Governo, a Altice Portugal acionou de imediato o Gabinete de Crise com um plano preventivo de contingência robusto, de forma a garantir a normalidade das telecomunicações e serviços críticos de interesse público como a TDT, Siresp e 112, identificando ainda como edifícios com atividade fulcral os localizados em Monsanto, Picoas, Linda-a-Velha, Data Center da Covilhã, Estação Satélite de Alfouvar, Tenente Valadim e Estações de amarração de Cabos Submarinos”, lê-se num comunicado.

Caso se verifique um agravamento da situação, havendo escassez total de combustíveis, a Altice Portugal irá limitar a intervenção das suas equipas operacionais apenas a situações de emergência.

Fonte oficial da Altice Portugal

Para responder à crise do acesso aos combustíveis, “foram identificadas medidas de exceção que irão garantir o funcionamento dos Geradores de Socorro”. Caso o problema continue sem solução, a operadora admite mesmo vir a “limitar a intervenção das suas equipas operacionais apenas a situações de emergência”.

Além destas duas medidas em cima da mesa, a empresa tem um plano para garantir “a deslocação das equipas operacionais que irão ter disponíveis uma bolsa de técnicos e viaturas por região”.

“A administração da Altice Portugal, assim como o seu Gabinete de Crise, estão em estreito e permanente contacto com a Autoridade Nacional de Proteção Civil, estando presente em todos os briefings, no sentido de apoiar as operações e garantir um contexto de total normalidade”, conclui a empresa na mesma nota.

A greve dos trabalhadores que transportam matérias perigosas está a provocar uma corrida aos postos de combustível em todo o país e ameaça as operações dos aeroportos de Lisboa e Faro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem combustível, Meo admite limitar intervenções técnicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião