Já mais condutores perderam a carta este ano do que no total de 2018

  • Lusa
  • 19 Abril 2019

Houve mais condutores a ficarem sem carta nos primeiros três meses deste ano do que em todo o ano de 2018. Mais de 73 mil condutores perderam pontos no primeiro trimestre.

No primeiro trimestre deste ano houve 73 mil automobilistas a perder pontos nas cartas de condução e foram cassadas mais cartas de condução (168) que em todo o ano de 2018 (17), disse fonte oficial.

“Este ano já registámos cerca de 73 mil automobilistas com perdas de pontos na carta de condução e no primeiro trimestre já foram cassadas (anuladas) mais cartas [de condução] do que em todo o ano de 2018”, avançou o secretário de Estado da Proteção Civil, José Neves, à margem de uma ação de sensibilização e fiscalização rodoviária no âmbito da Operação Páscoa 2019, que decorreu esta manhã, na A1, junto às portagens dos Carvalhos, Porto.

Dados da Secretaria de Estado da Proteção Civil avançados à Lusa indicam que no primeiro trimestre de 2019 foram cassadas “168 cartas”, enquanto que no período homólogo de 2018 foram cassadas “17 cartas de condução”.

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Neves, participou esta sexta-feira numa ação de sensibilização e fiscalização rodoviária na A1, junto às portagens dos Carvalhos, no Porto, onde esteve a entregar panfletos sobre segurança rodoviária aos automobilistas que eram mandados parar pela GNR.

Na Operação Páscoa 2019 da GNR estão, em média, 1.200 militares a efetuar um patrulhamento de prevenção aos condutores, que são sensibilizados pelas autoridades a terem uma condução mais segurança, recebendo um panfleto onde constam os principais comportamentos de risco, como a não utilização de cinto de segurança, uso indevido de telemóvel ou velocidade e manobras perigosas.

A Operação Páscoa 2019 da GNR, que termina à meia-noite da próxima segunda-feira, dia 22 de abril, registou até esta quinta-feira passada um total de 250 acidentes e cinco feridos graves, disse hoje fonte da GNR.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já mais condutores perderam a carta este ano do que no total de 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião