Passo a passo, como funciona a app dos taxistas para concorrer com a Uber

A aplicação dos taxistas foi lançada esta terça-feira em Lisboa e promete percorrer as estradas de Portugal lado a lado com a Uber ou a Bolt.

O setor do táxi quer acompanhar a revolução que se vive nos transportes. Em resposta à chegada das plataformas de transportes de passageiros, a Associação Nacional de Transporte Rodoviário em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) desenvolveu a Izzy Move, que começa a operar a partir desta terça-feira em Lisboa.

De acordo com a associação liderada por Florêncio de Almeida, que apresentou o projeto, a aplicação deverá chegar, durante as próximas semanas, ao Porto, Oeiras e Algarve. No final do mês, a Antral prevê que cerca de três mil viaturas disponham deste serviço.

Chamar um táxi da Izzy Move é, de maneira geral, muito semelhante a chamar um veículo da Uber ou da Bolt, por exemplo. O ECO explica-lhe, passo a passo, como é que funciona a aplicação dos taxistas:

  • Comecemos, claro, pelo download da aplicação. À semelhança das restantes está disponível nas plataformas App Store (para iOs) e, também, Google Play (para Android);
  • Para começar a utilizar a aplicação tem de se registar. O processo não demora mais do que três minutos, basta preencher o nome, e-mail, número de telefone e a palavra-chave que pretende usar. Depois, a Izzy Move vai enviar-lhe um e-mail de confirmação para o seu endereço eletrónico. O ECO registou-se na app e o recebimento do e-mail foi quase imediato.

Uma vez registado, a aplicação estará pronta para que a utilize quando quiser. Vamos, agora, ao processo de chamar um carro.

  • Para chamar uma viatura, o cliente começa por utilizar o GPS para identificar o ponto de recolha e selecionar o destino, tal como acontece nas outras plataformas de mobilidade;
  • Após a identificação, são apresentadas as estimativas de preço (e são mesmo apenas valores indicativos), que variam conforme a lotação do veículo, o horário e a necessidade de transportar bagagem;
  • O cliente deve, ainda, selecionar o modo como pretende pagar a viagem, podendo ser em dinheiro, multibanco ou cartão de crédito associado à app;

    A aplicação foi lançada esta terça-feira em Lisboa.Izzy Move
  • Com o pedido do cliente efetuado, o motorista recebe o pedido na aplicação e pode aceitar ou recusar a viagem. Caso aceite, o taxista indica, manualmente, o tempo estimado de chegada ao local onde se encontra o cliente;
  • O taxista inicia o percurso e, assim que chega ao local, é enviada uma mensagem ao cliente que o avisa que o táxi está no ponto de recolha;
  • No final da viagem, o montante final a pagar é introduzido pelo próprio motorista, com base no valor apresentado no taxímetro, dispositivo que não está ligado à aplicação, acrescido do valor de 80 cêntimos, custo de chamada do táxi;
  • A experiência fica, finalmente, terminada com a avaliação. O cliente poderá pontuar não só o motorista, mas também a própria viatura.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passo a passo, como funciona a app dos taxistas para concorrer com a Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião