E quando o diretor morre? INSEAD estudou impacto nas equipas

  • Ricardo Vieira
  • 27 Abril 2019

Responsabilidade social das empresas cresce e estratégia interna altera-se com a morte do diretor de uma empresa.

A morte de um diretor da empresa desencadeia uma consciencialização dos CEOs sobre sua própria mortalidade, levando-os a dar, novamente, prioridade à sua vida, o que tem implicações abrangentes para as empresas, revela um novo estudo da INSEAD.

“A morte de um colega é um lembrete para todos no local de trabalho (…) da inevitabilidade de sua própria morte”, diz Guoli Chen, autor do estudo e professor associado de estratégia da INSEAD, acrescentando que “é especialmente impactante quando a morte é súbita ou quando se trata de uma pessoa semelhante, porque reforça a ideia angustiante de que ‘poderia ter sido eu’”.

No mesmo artigo, o professor conclui que há uma associação entre a saliência da mortalidade (consciência de que um dia vai morrer) do CEO, desencadeada pela morte de um diretor da mesma empresa, bem como com a responsabilidade social da empresa, onde se incluem atividades que promovem o envolvimento da comunidade, preocupações ambientais e com direitos humanos.

Além do crescimento na responsabilidade social da empresa, esta pesquisa, que analisou 89 empresas nas quais um diretor faleceu, verificou que estes acontecimentos também estavam associados a uma diminuição no crescimento dos ativos da empresa.

Estas conclusões verificam-se com maior prevalência quando: a pessoa falecida era particularmente importante para o CEO, como o caso de um diretor que foi indicado durante o seu mandato, sugerindo uma conexão mais próxima entre o CEO e o diretor, e quando a morte foi repentina, situações em que CEOs saudáveis ficam mais propensos a se identificarem com colegas que não mostravam nenhum sinal de doença, explica a escola de negócios em comunicado.

Chen analisou como as pessoas enlutadas podem experimentar inicialmente algum grau de ansiedade da morte, o que se reflete numa diminuição na motivação e num desengajamento em relação às carreiras e ao estilo de vida anterior. Os CEOs que sofrem com essa ansiedade estarão, pelo menos a curto prazo, menos comprometidos com funções como o investimento no crescimento de ativos.

Mas, após um período mais traumático, explica o autor do estudo, o CEO pode expressar o desejo de apreciar melhor o tempo, reavaliar a natureza e o propósito da sua carreira, procurar um maior significado pessoal, e encontrar formas de dar um contributo mais duradouro à sociedade.

“Enquanto a sociedade e a comunidade empresarial esperam que os seus líderes sejam mais responsáveis pelas suas ações, o nosso estudo fornece uma perspetiva interessante sobre o que acontece quando CEOs e managers têm motivações intrínsecas para perceber que há aspetos mais importantes na vida do que o dinheiro”, refere Chen.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E quando o diretor morre? INSEAD estudou impacto nas equipas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião