Governo conta com PSD e PCP para aprovar Lei de Bases da Saúde

  • ECO
  • 29 Abril 2019

Com o choque com o Bloco, o PSD e o PCP são a aposta do Governo para verem aprovada, com "o maior consenso possível", a Lei de Bases da Saúde.

Depois do choque com o Bloco, que exigia o fim das Parcerias Público-Privadas (PPP) na saúde, o Governo vira-se para o PSD e PCP para ver a lei de bases aprovada. O Executivo de António Costa quer que o texto seja “aprovado com o maior consenso possível”, de forma a “perdurar por várias legislativas”, adiantou um responsável governativo ao Público (acesso condicionado).

Do lado do PSD, Rui Rio mostrou-se aberto a acordo, ao reiterar que “se o PS se aproximar de nós, nós votamos favoravelmente“, em declarações aos jornalistas no final das comemorações do 25 de Abril. Já o PCP estará disponível para consenso e terá sugerido que as suas propostas sejam votadas primeiro, na especialidade, para que, se estas chumbarem, avaliem as propostas finais do PS.

Os comunistas defendem o papel do Serviço Nacional de Saúde, atitude com a qual dizem que “o PCP tem prosseguido no exame comum com o Governo de uma nova Lei de Bases da Saúde que inverta o processo de privatização em curso e a continuação de promiscuidade entre setor público e o setor privado”, em comunicado.

O parecer favorável do Bloco parece, por outro lado, improvável. Catarina Martins tinha anunciado que tinha ficado fechado o fim das PPP na saúde, afirmação que foi depois contrariada por António Costa. Para o Governo, a atitude da líder bloquista foi “uma tentativa de constranger, condicionar e forçar o primeiro-ministro”, adianta o mesmo responsável à publicação.

A votação na especialidade da Lei de Bases da Saúde deverá tomar lugar nesta semana. Este documento não se centra apenas na questão das PPP, já que o fim absoluto destas “é impossível até porque o Estado não tem capacidade financeira para isso”, acrescenta o governante.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo conta com PSD e PCP para aprovar Lei de Bases da Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião