Spotify supera expectativas. Já tem 100 milhões de subscritores pagos

O serviço de streaming de música Spotify bateu as previsões dos analistas, ao alcançar a marca dos 100 milhões de subscritores pagos.

O Spotify atingiu a fasquia dos 100 milhões de subscritores pagos, uma meta que é cruzada pela primeira vez por um serviço de música. Foram quatro milhões os clientes que aderiram ao serviço de streaming no trimestre mais recente, valor superior aquele que era esperado pelos analistas, de 3,3 milhões.

Já os dados relativos aos utilizadores que estão ativos mensalmente não bateram as expectativas. Fixaram-se nos 217 milhões, abaixo dos 218,3 milhões que a empresa tinha previsto, avança a Bloomberg (acesso condicionado/conteúdo em inglês). Mesmo assim, o serviço de streaming de música está confiante de que a expansão não irá abrandar.

Nas previsões, o Spotify aponta para o intervalo de 107 milhões a 110 milhões de subscritores pagos no segundo trimestre, e entre 117 milhões e 127 milhões para o total do ano. Para atrair mais utilizadores, a tecnológica tem apostado recentemente nos podcasts, ao adquirir empresas especializadas na área, como a Gimlet Media e a Anchor.

A empresa sueca enfrenta a concorrência da Apple Music, que tem visto os utilizadores que pagam pelo serviço a crescer entre 2,6% a 3% por mês. Em fevereiro, o serviço de streaming de música da marca da maçã já contava com 28 milhões de utilizadores premium nos Estados Unidos, um número que compara com os 26 milhões do Spotify.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Spotify supera expectativas. Já tem 100 milhões de subscritores pagos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião