Trump dá terceira pior sessão do ano a Lisboa. Bolsa recua 1,45%

Donald Trump anunciou o aumento das tarifas sobre os produtos chineses e provocou um autêntico trambolhão nos mercados, tanto nas praças asiáticas como nos índices da Europa. Lisboa não foi exceção.

A primeira negociação da semana arrancou com quebras e acabou ainda pior, com 17 das 18 cotadas no vermelho. Trump anunciou o aumento das tarifas sobre os produtos chineses e provocou um autêntico trambolhão nos mercados, tanta nas praças asiáticas como nos índices do Velho Continente. Lisboa não foi exceção, tendo concretizado aquela que foi a terceira pior sessão do ano.

O PSI-20 desvalorizou 1,45% para 5.301,3 pontos, com 17 das 18 cotadas em queda. Apenas a Ramada resistiu à maré de pessimismo, somando 0,26% para 7,72 euros.

Na origem desta queda está o anúncio do presidente dos Estados Unidos da América, que afastou as esperanças em torno do alcance de um acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo. Este domingo disse que as tarifas de alguns produtos chineses iam subir para 25%. Os novos preços entram em vigor na sexta-feira e significam uma agravamento face aos 10% suportados até agora.

Na sequência destas declarações a praça chinesa registou uma forte queda, mas não foi a única. Também no continente europeu, Donald Trump fez mossa, com a generalidade dos índices a apresentarem desvalorizações significativas. O Stoxx 600 recuou 0,94%, enquanto o espanhol IBEX desvalorizou 0,73% e o francês CAC perdeu 1,18%.

Por cá, a liderar as perdas, esteve a Mota-Engil, que recuou 2,60% para 2,252 euros, e, também, o BCP, que perdeu 2,50% para 0,25 euros.

Bolsa em queda

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump dá terceira pior sessão do ano a Lisboa. Bolsa recua 1,45%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião