Mário Nogueira ressuscita Familygate para atacar Costa: Deve “ter mais família no Governo que na família tem professores”

Para Mário Nogueira, a acomodação da despesa com o descongelamento do tempo de serviço dos professores no orçamento deste ano era "fácil". O líder da Fenprof critica a atitude do Governo.

Mário Nogueira critica a atitude do Executivo perante os professores, e não se mostra aberto à simpatia do primeiro-ministro. “António Costa escusa de vir dizer que tem até sensibilidade para questões dos professores porque tem na família professores. Se calhar, no Governo ainda tem mais família do que na família tem professores“, atirou o secretário-geral da Fenprof, numa alusão ao Familygate.

Em reação à entrevista do primeiro-ministro, Mário Nogueira critica a atuação do Governo, que diz estar a levar a cabo uma “intoxicação da opinião pública e isolamento dos professores”, numa conferência de imprensa transmitida pelas televisões. O líder da Fenprof acusa ainda o Executivo de conduzir uma “farsa negocial”.

Perante a crise política que se formou em torno do descongelamento do tempo de serviço dos professores, Mário Nogueira reitera que a acomodação dos custos com esta medida “era fácil no Orçamento de 2019”, tendo em conta os valores que já tinham sido consignados, nomeadamente para as aposentações.

Ao empurrar as progressões para os próximos anos, estão a “atirar para cima do próximo Governo” a despesa com esta medida, algo que Costa tinha dito que não queria fazer, aponta Mário Nogueira. Relativamente às contas de quanto custará o descongelamento, a Fenprof diz que “estes milhões todos são para enganar os portugueses”, e “virá-los contra os professores”.

De acordo com o Executivo, a recuperação do tempo de serviço dos professores, e o consequente alargamento da medida às restantes carreiras especiais, custaria 560 milhões de euros além do que já foi aprovado pelo Governo a partir de 2023, 140 milhões de euros por ano se fossem concretizados até ao final da próxima legislatura como prevê o Executivo.

O secretário-geral adianta ainda que na quarta-feira, às 15h00, os professores com 55 anos ou mais, que estão abrangidos pelo regime de pré-reforma, se irão deslocar às delegações para iniciar o pedido. Esta ação “não é uma manifestação”, garante, no entanto, Mário Nogueira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Nogueira ressuscita Familygate para atacar Costa: Deve “ter mais família no Governo que na família tem professores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião