Portugal é um dos três países com a maior queda do investimento público face ao período pré-crise

Face ao período pré-crise, Portugal é o terceiro país em ex-aequo com a Irlanda que regista uma quebra mais acentuada do investimento público até 2020. A descida maior foi em Espanha.

Portugal é um dos três países europeus com a maior queda do investimento público face ao período pré-crise. No entanto, Bruxelas antecipa um crescimento “gradual” do investimento global até 2020, graças ao aumento da execução dos fundos comunitários. Ainda assim, o desempenho fica sempre aquém do pico de crescimento de 9,2% registado em 2017, embora superior à média da zona euro.

“Até 2020, a queda no investimento público face ao período pré-crise vai continuar a ser substancial em Espanha (cerca de -2 pontos percentuais do PIB), Irlanda e Portugal (cerca de -1,5 pp), Grécia, Itália e Malta (cerca de -1 pp)”, escreve a Comissão Europeia nas suas Previsões da Primavera divulgadas esta terça-feira em Bruxelas.

Até 2020, a queda no investimento público face ao período pré-crise vai continuar a ser substancial em Espanha (cerca de -2 pontos percentuais do PIB), Irlanda e Portugal (cerca de -1,5 pp), Grécia, Itália e Malta (cerca de -1 pp).

Previsões de Primavera da Comissão Europeia

A queda do investimento público tem sido um dos temas políticos mais quentes com o Executivo a ser acusado de equilibrar as contas públicas à custa desta rubrica, nomeadamente ao não investir no Serviço Nacional de Saúde, infraestruturas, escolas, Justiça, etc. Da direita à esquerda, o coro de críticas tem subido de tom à medida que se aproximam os três atos eleitorais deste ano: europeias, Madeira e legislativas.

O próprio Presidente da República, numa entrevista transmitida nesta segunda-feira à noite na Globo, voltou a admitir que o equilíbrio das contas públicas se deveu a um corte no investimento. “Este ano, penso que podemos ter défice zero ou superavit. Para fazer isso, onde vai cortar [o Governo]? Vai cortar nalgum investimento público”, disse o Chefe de Estado.

No Programa de Estabilidade, o Governo cortou a meta de investimento público, para 2019, em 471 milhões de euros, no espaço de três semanas. A previsão do Executivo é de que o investimento público, este ano, ascenda a 4.382 milhões de euros, um valor que fica aquém dos 4.853,4 milhões inscritos no Orçamento do Estado para 2019 e no reporte dos défices excessivos que seguiu para o Eurostat a 26 de março. O Programa de Estabilidade espera ainda que o investimento público cresça a uma taxa média anual de 10% até 2023.

A Comissão Europeia prevê que o investimento público em Portugal cresça para 2,3% do PIB, em 2019, e depois para 2,6%, em 2020. Assim, este ano, Portugal tem a segunda taxa mais baixa da União Europeia. Pior só mesmo Itália que deverá ter manter o crescimento do investimento público em 1,9% do PIB, em 2019. Já a média da Zona Euro deverá ser de 2,7%, este ano, e de 2,8% no próximo.

A Comissão apela aos seus Estados-membros onde existe “espaço orçamental” que o devem utilizar num investimento público físico e intangível. “Tendo em conta os constrangimentos às políticas macroeconómicas, avançar para um estrutura de receitas e despesas públicas que favoreça a educação, emprego e investimento neutral do ponto de visto do défice significaria aumentar o potencial de crescimento”, pode ler-se nas Previsões de Primavera.

A Comissão sublinha que as diferenças entre investimento público e privado permanecem. O investimento público “aumentou apenas ligeiramente depois do nível historicamente baixo atingido em 2016 (2,6% do PIB) e, em contrapartida, o investimento privado tem vindo a registar uma tendência crescente desde 2013, atingindo um nível pós-crise de 18,2% do PIB”, acrescenta o documento.

Para Portugal, a Comissão um crescimento do investimento global de 4,6% em 2019 e de 5% em 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é um dos três países com a maior queda do investimento público face ao período pré-crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião