Marques Mendes vê “instabilidade política” no horizonte. Vêm aí “governos de curta duração”

O comentador e antigo líder do PSD alertou que o país caminha para um clima de instabilidade política nos próximos anos. Vê Costa a ser eleito sem maioria, num governo com validade de dois anos.

Os anos de estabilidade política em Portugal estão a chegar ao fim, pelo menos na opinião de Luís Marques Mendes. O antigo líder do PSD alertou esta quinta-feira que o país “habituou-se a viver períodos longos de estabilidade”, mas há, agora, “um risco sério de entrarmos nos próximos anos num ambiente de alguma instabilidade” política e de “governos de curta duração”.

Na apresentação do CEO Survey Portugal 2019, um estudo elaborado pela PwC, o comentador político considerou importante “valorizar o bem que é a estabilidade política” enquanto ela existe. Marques Mendes vaticinou ainda a eleição de António Costa como primeiro-ministro nas legislativas de outubro, sem maioria absoluta, e colocou um prazo de “validade de dois anos no próximo Governo.

PWC CEO Survey Portugal - 09MAI2019
Marques Mendes foi um dos participantes no evento de apresentação do CEO Survey Portugal 2019 elaborado pela PwCHugo Amaral/ECO

“O primeiro Orçamento passa porque ninguém chumba um orçamento três meses depois das eleições. O segundo é aprovado porque Portugal assume depois a presidência do Conselho da União Europeia. O drama vai ser o terceiro, porque é a seguir às autárquicas e o cimento da estabilidade vai ser um drama”, justificou o advogado. “Tenho sérias preocupações relativamente à estabilidade política futura”, avisou.

Assumindo-se “pouco entusiasta” da atual solução governativa, Marques Mendes reconheceu, ainda assim, que a chamada geringonça teve o mérito de garantir “estabilidade”. “Passos Coelho, se tivesse formado Governo, como não tinha maioria absoluta, seria um Governo instável”, afirmou.

No entanto, Marques Mendes não vê hipótese de surgir uma geringonça 2.0. “Esta solução dificilmente se repete no futuro, por razões políticas e económicas. Esta só existe enquanto há dinheiro para distribuir. Não havendo, já não há cimento”, disse, apontando desde logo para o risco de menor crescimento económico esperado nos próximos anos. “Há evidências de declínio, de quebra da economia. E haverá menos dinheiro para distribuir nos próximos orçamentos”, frisou o comentador.

PWC CEO Survey Portugal - 09MAI2019
Luís Marques Mendes é comentador, advogado e antigo líder do PSD.Hugo Amaral/ECO

Marques Mendes aproveitou também a ocasião para tentar “colocar no debate público a necessidade de melhorar a qualidade do decisor político”. “De legislatura para legislatura, baixa a qualidade do decisor político. Às vezes de uma forma confrangedora”, indicou.

Um pedido que surge a poucas semanas das eleições europeias. Considerando a UE “uma história de sucesso”, Marques Mendes disse tratar-se também de “uma história de várias crises”. Mas há motivos para se ser otimista, porque “a Europa não implodiu” em nenhuma delas. “Os problemas existem, não os vamos deitar para debaixo do tapete. Mas julgo que há capacidade e condições para que a Europa continue a ser, no futuro, um grande projeto”, considerou.

Tenho sérias preocupações relativamente à estabilidade política futura.

Luís Marques Mendes

Elaborado pela consultora PwC, o CEO Survey Portugal 2019 é um estudo que resulta de mais de 1.370 entrevistas a 70 presidentes executivos portugueses. Num capítulo dedicado às principais ameaças percecionadas pelos gestores nacionais, o populismo surge em primeiro lugar, seguido do aumento da carga fiscal e do excesso de regulação.

Outra conclusão do estudo é que os presidentes executivos portugueses vêem a falta de mão-de-obra como a maior ameaça aos negócios em Portugal. Segundo o estudo, a falta de competências e talento no mercado de trabalho penaliza a inovação nas empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marques Mendes vê “instabilidade política” no horizonte. Vêm aí “governos de curta duração”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião