Marisa Matias: “Nós não queremos uma Europa offshore”

  • Lusa
  • 14 Maio 2019

"Não queremos uma Europa em que o dinheiro só tem direitos e não tem deveres e as pessoas só têm deveres e não têm direitos", disse esta segunda-feira a bloquista Marisa Matias.

A primeira candidata do BE às europeias, Marisa Matias, rejeitou esta segunda-feira “uma Europa offshore“, onde o “dinheiro só tem direitos e não tem deveres”, considerando que o PS em Portugal, “condicionado pela esquerda”, não é o mesmo de Bruxelas.

Na Praça Paiva Couceiro, em Lisboa, e antes de descer a Rua Morais Soares para a já tradicional arruada do BE nas corridas eleitorais, Marisa Matias falou aos jornalistas sobre as duas iniciativas do primeiro dia de campanha que representam “as três linhas principais da campanha do Bloco” nestas eleições: a defesa do Estado social, o combate às alterações climáticas e a proteção laboral e dos direitos dos trabalhadores.

“Nós não queremos uma Europa offshore, não queremos uma Europa em que o dinheiro só tem direitos e não tem deveres e as pessoas só têm deveres e não têm direitos”, rejeitou, defendendo que “uma Europa que responda aos problemas das pessoas, uma Europa para as pessoas e que cumpra as promessas que lhe fez”.

Questionada sobre o posicionamento que o PS tem assumido em termos europeus, a eurodeputada recandidata bloquista foi perentória na crítica. “Estou no Parlamento Europeu há tempo suficiente para saber que aquilo que o PS tem defendido em Portugal, condicionado pela esquerda, não será nem é aquilo que tem defendido no Parlamento Europeu”, atirou.

Reiterando que vai fazer “nesta campanha um debate sobre aquilo que é o essencial”, ou seja, “os problemas concretos das pessoas”, Marisa Matias antecipou o objetivo da arruada. “E por isso estamos aqui hoje no final deste primeiro dia de campanha, para estar com as pessoas na rua. Nós não temos medo de conversar com as pessoas, de ir ao seu encontro, de ouvir os seus problemas. Queremos mesmo fazer essa avaliação”, justificou.

Questionada sobre se isso era uma “farpa” a alguns candidatos que não têm estado na rua, a cabeça de lista do BE respondeu: “só falo por mim. Não posso falar pelos outros”. A defesa do Estado social, o combate às alterações climáticas e os direitos dos trabalhadores são para o BE as “três principais tarefas” para o próximo mandato em Bruxelas.

“E por isso estivemos numa escola pública que já eliminou os plásticos (no transporte de alimentos), estivemos também em contacto com trabalhadores por turnos que são dos que estão ainda mais afetados pela legislação da ‘troika’ e ainda não viram justiça relativamente à sua situação. Tudo isto está relacionado entre a política europeia e a política nacional”, detalhou.

Atrás do som da música que marcou o ritmo da arruada, Marisa Matias seguiu depois, rua abaixo, para distribuir jornais de campanha, cumprimentar com quem se cruzou e demorar-se um pouco mais com todos aqueles que lhe quiseram manifestar apoio ou contar um problema pessoal.

Na comitiva estão vários deputados que, findo o debate quinzenal que esta segunda-feira decorreu no parlamento, puderam juntar-se à iniciativa de campanha, como Pedro Filipe Soares, Mariana Mortágua, José Soeiro, Pedro Soares, Joana Mortágua, Luís Monteiro ou Heitor de Sousa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marisa Matias: “Nós não queremos uma Europa offshore”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião