Proteção de dados: Empresas têm mais seis meses para legalizarem procedimentos

  • ECO
  • 17 Maio 2019

As entidades que não estejam a cumprir o RGPD terão um bónus de seis meses para legalizarem os procedimentos, sem que sejam alvo de qualquer penalização.

O grupo de trabalho criado no Parlamento para as matérias do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) decidiu que a renovação do consentimento por partes das empresas que façam tratamento de dados pessoais deverá ocorrer no prazo de seis meses, que contam a partir da entrada em vigor da lei. A votação dessa mesma lei deverá acontecer no final deste mês.

Segundo escreve esta sexta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago), as entidades que não estejam a cumprir o RGPD terão, assim, mais de meio ano para legalizarem os procedimentos, sem que sejam alvo de qualquer penalização.

Esta questão — sobre o consentimento para o tratamento de dados pessoais — colocou-se logo após a entrada em vigor do RGPD, que é de aplicação nos Estados-membros da diretiva europeia. Cláudia Martins, especialista em privacidade e proteção de dados da Macedo, Vitorino e Associados, explica que este é um “prazo de adaptação”, ou seja, vai “premiar quem não diligenciou por obter novos consentimentos até 25 de maio de 2018”.

Falando de outras questões que considera relevantes, Cláudia Martins diz, ainda, que não entende porque é que não é dado um prazo idêntico para outros assuntos, como “a revisão ou celebração de novos contratos com entidades subcontratantes ou a criação ou revisão das políticas de privacidade” nas empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proteção de dados: Empresas têm mais seis meses para legalizarem procedimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião