🎥 Culpa, comenda e coleção. O que pensam os portugueses sobre a polémica Berardo

A polémica em torno de Joe Berardo rebentou e o ECO foi saber o que pensam os portugueses sobre o caso. Onde mora a culpa? O que fazer com a coleção? Veja o vídeo.

“Pessoalmente, não tenho dívidas”. Foi a frase mais polémica da audição que Joe Berardo deu no Parlamento, na passada sexta-feira. As sociedades sob a alçada do comendador são acusadas de dever cerca de mil milhões de euros à banca, entre Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco.

Até agora Berardo pagou apenas 2,2 milhões do montante em dívida e por isso existe o receio genuíno que não honre a totalidade da dívida. Em incumprimento com a Caixa e Novo Banco, as três instituições juntaram-se numa ação conjunta para penhorar as ações da Associação Coleção Berardo que detém as 861 obras de arte.

Na audição no Parlamento na II comissão de inquérito à CGD, o empresário madeirense — que em seu nome terá apenas uma garagem — repetiu várias vezes que as perguntas deviam ser endereçadas a quem lhe concedeu os empréstimos, ou seja, as instituições financeiras.

A mesma audição levou a uma onda de indignação que gerou um movimento que defende que Joe Berardo deve perder as comendas que recebeu das mãos dos Presidentes Ramalho Eanes e Jorge Sampaio. Esta sexta-feira o Conselho das Ordens decidiu abrir um processo disciplinar a Berardo para analisar se o empresário infringiu os deveres de titular da Ordem do Infante D. Henrique, que pode levar à retirada das suas condecorações

Mas qual é a opinião dos portugueses sobre este caso? Onde mora a culpa? As condecorações dadas ao empresário madeirense devem ser retiradas? A quem deve pertencer a coleção?

O ECO foi para a rua perguntar às pessoas o que pensam sobre a polémica que envolve o comendador. Veja o vídeo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

🎥 Culpa, comenda e coleção. O que pensam os portugueses sobre a polémica Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião