Nos testa “regularmente” os equipamentos e confia na Huawei

  • Lusa
  • 21 Maio 2019

A operadora Nos garante que faz "regularmente" testes aos aparelhos da Huawei e não tem razões para desconfiar da empresa chinesa. Huawei é parceira da Nos no 5G.

A diretora de comunicação corporativa da Nos NOS 0,00% , Isabel Borga, afirmou que a Huawei é um dos “parceiros tecnológicos” da operadora portuguesa, escusando-se a comentar as notícias que envolvem a fabricante chinesa. A empresa garante ainda que testa periodicamente os equipamentos da Huawei e não tem razão para suspeitar de que não sejam seguros.

“A Huawei é um dos nossos parceiros tecnológicos e não vamos comentar” o tema, afirmou a responsável, que falava aos jornalistas na FIL, em Lisboa, no âmbito de uma demonstração em 5G (quinta geração móvel), em tempo real, que materializa a condução remota de veículos, simulando uma situação de segurança e emergência.

Os Estados Unidos têm pressionado a Europa a não fazer parcerias com a Huawei, no âmbito do 5G, alegando espionagem e questões de segurança. No passado dia 15 de maio, Trump declarou emergência nacional para proibir as empresas norte-americanas, entre as quais a Google, de fazer negócios com entidades que alegadamente tentam espiar Washington, ou usar os seus equipamentos de telecomunicações, num ataque claro contra a Huawei.

“Fazemos regularmente testes” e “não há nenhum indício” de falhas de segurança na rede da Huawei, adiantou Isabel Borga, remetendo qualquer posição da Nos para as declarações feitas pelo presidente executivo da operadora, Miguel Almeida, na apresentação de resultados de 08 de março.

A Nos adiantou ainda que os parceiros tecnológicos 5G ainda não estão fechados, já que aguardam decisão do regulador Anacom sobre a atribuição de licenças.

Também o administrador da Nos Manuel Ramalho Eanes remeteu para as declarações feitas pelo presidente executivo. Na altura, Miguel Almeida disse que não tinha detetado “qualquer evidência que exista problemas de segurança” nas redes da empresa chinesa Huawei”.

“A Nos rege-se e cumpre escrupulosamente as leis portuguesas, europeias e recomendações nacionais. Não creio que estejamos ao abrigo da legislação norte-americana”, afirmou, em março, Miguel Almeida, salientando que o não desenvolvimento das redes 5G da Huawei levará a um atraso da Europa nesta matéria.

Ainda falta libertar faixas do 5G

A demonstração do 5G feita esta terça-feira pela Nos teve como parceira a Huawei.

“Estamos a testar com os parceiros atuais”, que são a Huawei e a Nokia, disse aos jornalistas Luís Santo, responsável pelo programa 5G da Nos. O 5G é uma tecnologia “cinco vezes mais rápida” do que a atual, vai permitir uma maior “interatividade” e “densidade”, acrescentou.

Questionado sobre quando é que haverá um teste real com veículos autónomos, Luís Santo afirmou: “Quando tivermos espetro”. De acordo com Isabel Borga, tal acontecerá “muito em breve”.

Relativamente à primeira cidade portuguesa ligada em 5G, a diretora de comunicação corporativa disse que a NOS não tem decisão tomada ainda. “Temos uma parceria com Matosinhos, uma cidade zona livre tecnológica”, acrescentou, mas nada está fechado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos testa “regularmente” os equipamentos e confia na Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião