Uma em cada dez pessoas de todo o mundo vive sem eletricidade

  • Lusa
  • 22 Maio 2019

Apesar dos avanços dos últimos anos, cerca de 770 milhões de pessoas continuam a não ter acesso à eletricidade. A área mais problemática é a África subsaariana.

Uma em cada dez pessoas em todo o mundo vive sem eletricidade, a maioria das quais na África subsaariana, revela um estudo de cinco organizações internacionais divulgado esta quarta-feira, referindo que a tendência é para uma diminuição muito lenta.

A conclusão consta de uma análise feita pela Agência Internacional de Energia, a Agência internacional de Energias Renováveis, o Banco Mundial, a Organização Mundial de Saúde e a Unidade de Estatísticas das Nações Unidas. Segundo o estudo, 11% da população mundial continua a não ter acesso a eletricidade, apesar dos avanços dos últimos anos, percentagem que representa cerca de 770 milhões de pessoas.

A taxa de eletrificação global, indica o documento, atingiu 89%, com 153 milhões de pessoas a conseguirem ter acesso a eletricidade. Mas, apesar de a tendência ser de diminuição do número de pessoas sem acesso a energia elétrica, as organizações chegaram à conclusão de que o problema será difícil de resolver, pelo que esperam que em 2030 (daqui a pouco mais de 10 anos), a quantidade de pessoas sem este bem ainda se fique pelos 650 milhões.

Segundo refere a Agência Internacional de Energia (AIE), o número de pessoas sem eletricidade diminuiu de 1,2 mil milhões em 2010 para mil milhões em 2016 e 840 milhões no ano seguinte. A evolução foi conseguida, sobretudo, graças aos progressos conseguidos em países como a Índia, o Bangladesh, o Quénia e Myanmar (antiga Birmânia).

No entanto, avisa a AIE, este número não terá uma redução mais séria se não forem adotadas mais ações sustentáveis até 2030, ano de referência para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, fixado pela ONU. Nessa altura, estimam as organizações no relatório, o número de pessoas sem eletricidade ainda será de 650 milhões, sendo que nove em cada 10 estarão na África subsaariana.

De facto, o maior desafio está nessa região, admitem as organizações, lembrando que, em 2017 (último ano em que há dados disponíveis), 573 milhões de pessoas dessa região não tinham acesso a eletricidade. Por outro lado, cerca de três mil milhões de pessoas não têm energia limpa para cozinhar, com uma “imensa maioria” a usar ainda lenha ou carvão, contribuindo para prejudicar a saúde, o meio ambiente e a igualdade de género.

De acordo com os autores do estudo, esse número passará para 2,2 mil milhões em 2030 e, mais uma vez, o problema continuará a centrar-se sobretudo na África subsaariana, embora também afete particularmente a Ásia. “Os progressos são muito lentos para que se consiga atingir o objetivo de acesso universal (de energia limpa para cozinhar) até 2030”, reconheceu uma diretora da Organização Mundial de Saúde, Maria Neira.

Esta responsável defende, no estudo, que sejam adotadas “ações direcionadas” para evitar cerca de quatro milhões de mortes por ano, devido a pneumonia, doenças cardíacas, AVC, doenças pulmonares e cancro causados pela poluição atmosférica dos lares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uma em cada dez pessoas de todo o mundo vive sem eletricidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião