Hoje nas notícias: Pré-reformas, Berardo e swaps

  • ECO
  • 23 Maio 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O atual secretário de Estado da Economia está na mira da Justiça, que lhe enviou dezenas de perguntas sobre indícios relacionados com a investigação ao caso EDP. Na Função Pública, o Governo continua sem aprovar qualquer pedido de pré-reforma na Educação. E lembra-se do caso dos swaps? Foi arquivado pelo Ministério Público.

230 professores pediram pré-reforma, mas nenhum teve luz verde

Desde que entrou em vigor o decreto que veio regulamentar a pré-reforma com suspensão da prestação de trabalho, em fevereiro, um total de 230 docentes pediram a pré-reforma, mas, até ao momento, nenhum recebeu qualquer resposta positiva e nem Ministério da Educação, nem Ministério das Finanças se comprometem com prazos para responder a estes pedidos. Da Educação, apenas referem “que os pedidos de pré-reforma” estão em análise, e das Finanças sublinha-se que os pedidos serão analisados “em função do interesse público” e que não estão previstos inventivos a este mecanismo. Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Secretário de Estado na mira da Justiça por causa de Manuel Pinho

O atual secretário de Estado da Economia, João Correia Neves, que foi chefe de gabinete do ex-ministro Manuel Pinho entre 2005 e 2017, foi alvo de 46 perguntas endereçadas pelo Ministério Público acerca de indícios que estão a ser investigados no caso EDP. Os procuradores querem saber se Correia Neves sabia dos alegados pagamentos do Grupo Espírito Santo ao ex-ministro do Governo de José Sócrates. Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso condicionado).

Lisboa e Funchal não se entendem sobre quem fiscaliza Fundação Berardo

Lisboa e Funchal não se entendem sobre quem tem a responsabilidade de fiscalizar a Fundação Berardo, onde “estão” as polémicas dívidas milionárias à banca. No continente, a visão da Presidência do Conselho de Ministros é que cabe ao Funchal as competências para “fiscalizar a atuação da Fundação” por ter sido na Madeira que a instituição de Joe Berardo foi reconhecida como IPSS. Já a Secretaria Regional dos Assuntos Sociais garante que o executivo madeirense nunca “fez quaisquer ações de inspeção ou fiscalizações” e que isso “é uma competência legal atribuída ao primeiro-ministro”. Leia a notícia completa na TSF (acesso livre).

Ministério Público arquivou caso dos swaps

O Ministério Público arquivou o caso dos swaps este mês. O processo remonta a 2013. Em plena crise financeira, descobriu-se que algumas empresas públicas como a Carris, o Metro de Lisboa, a Refer e o Metro do Porto tinham contratado com alguns bancos, anos antes, um tipo de contrato arriscado, chamado swaps, para prevenir um aumento das taxas de juro.

Os negócios foram ruinosos para o erário público, porque o que aconteceu foi exatamente o oposto. O processo foi aberto por denúncia do Governo de Pedro Passos Coelho, mas foi arquivado por não terem sido encontrados indícios de crime — apenas de falta de prudência. Leia a notícia completa na Sábado (acesso condicionado).

PS quer aprovar já o direito a desligar do trabalho. Mas o PSD tem dúvidas

Os socialistas tencionam aprovar, ainda nesta legislatura, uma lei que garanta o direito aos trabalhadores poderem desligar do trabalho no que diz respeito aos telemóveis e aos computadores. Só não é certo é que haja condições políticas para o fazer, porque a proposta não reúne as condições necessárias para merecer o apoio da esquerda e o PSD tem dúvidas de que seja possível uma aprovação até meados de julho.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Pré-reformas, Berardo e swaps

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião