Acordo dos swaps com o Santander já pesa nas contas públicas

A Metro do Porto efetuou em abril um pagamento de juros ao abrigo do acordo fechado com o Santander sobre os swaps tóxicos comprados pelas empresas públicas. Foram cerca de 130 milhões.

O entendimento sobre os contratos de swaps entre o Estado e o Santander alcançado em abril tinha uma perda potencial avaliada em 1,1 mil milhões de euros. Parte do esperado impacto financeiro desse acordo fez-se sentir nas contas públicas do mês passado devido a um pagamento feito pela Metro do Porto, segundo a nota de execução orçamental de maio divulgada esta segunda-feira pela Direção-Geral do Orçamento (DGO). Este efeito agravou ainda mais o défice da Administração Central, setor onde estão incluídas as Entidades Públicas Reclassificadas como a Metro do Porto.

“Os juros e encargos financeiros pagos pelas entidades públicas reclassificadas da Administração Central registaram um incremento de 149,1% em termos homólogos devido, em grande medida, ao pagamento realizado pelo Metro do Porto, S.A., na sequência de acordo, no âmbito de processos judiciais relativos a contratos swap, alcançados entre as Empresas Públicas de Transportes, a República Portuguesa e o Banco Santander Totta, S.A.”, explica a nota da DGO. Em causa está um pagamento de cerca de 130 milhões de euros que a Metro do Porto já fez ao Santander, segundo as tabelas apresentadas no boletim.

O impacto desse encargo fez-se sentir no défice orçamental, calculado na ótica da contabilidade pública, em maio — um mês depois do entendimento que colocou um ponto final nos processos judiciais sobre os produtos de gestão de risco financeiro (swaps). Assim, a Administração Central viu o seu défice agravar-se ainda mais, o que contribuiu para o agravamento do défice das Administrações Públicas. “Em termos de setores e entidades, o agravamento do saldo decorre da evolução, sobretudo, do subsetor Estado, e ainda das Entidades Públicas Reclassificadas, com destaque para o Metro do Porto, S.A.”, explica a mesma nota da DGO.

Contudo, o boletim revelado esta segunda-feira é omisso quanto aos encargos de outras empresas envolvidas nos swaps — a Metro de Lisboa, a STCP e a Carris (esta última foi transferida para a Câmara de Lisboa). Segundo apurou o ECO na altura do anúncio, o acordo implicava que o Estado português fizesse um pagamento a curto prazo de 529 milhões de euros ao Santander. A perda potencial total estava avaliada em 1,1 mil milhões de euros, mas este valor ainda podia e pode continuar a mudar, uma vez que os derivados continuam vivos. Em troca, o Santander aceitou financiar o Estado em 2,3 mil milhões de euros, a uma taxa de juro mais baixa do que a verificada no mercado (rondará os 3%).

Porém, se os cerca de 130 milhões corresponderem na totalidade ao fluxo de juro relativo ao swap, este impacto nas contas públicas não deverá ter reflexo no défice em contas nacionais. De 2013 para cá as regras do Eurostat mudaram e os impactos dos derivados financeiros deixaram de ser registados no saldo orçamental. Mas este valor terá impacto na dívida pública, cujo valor o Governo se compromete a baixar em 2017.

O ECO questionou o Ministério das Finanças sobre se as restantes empresas visadas no acordo já efetuaram o pagamento e a que se refere exatamente este pagamento realizado pela Metro do Porto, mas até ao momento não foi possível obter uma resposta do gabinete de Mário Centeno.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo dos swaps com o Santander já pesa nas contas públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião