Governo ainda longe de um acordo no SIRESP

  • ECO
  • 24 Maio 2019

TSF diz que Altice espera resposta das Finanças sobre proposta de pré-acordo enviada há oito dias. ECO noticiou há semana e meia que memorando de entendimento deve surgir até final do mês.

Há meses que o Governo negoceia com a Altice e a Motorola a aquisição do controlo do Siresp, a empresa responsável pela rede de comunicações de emergência do Estado português. Mas apesar de o primeiro-ministro ter dito há mais de uma semana que o acordo estava “por horas”, as conversações parecem ter estagnado.

A Altice terá enviado para o Ministério das Finanças uma proposta de pré-acordo na quinta-feira da semana passada, mas o Governo ainda não terá respondido, avança a TSF.

Segundo relata a rádio, Mário Centeno convocou a administração da Altice no início de maio para uma reunião no Ministério das Finanças. O Governo queria saber se a empresa de telecomunicações estaria interessada em vender a participação que detinha no Siresp, avançando-se com um valor global para os 52% detidos pela Altice e os 15% da Motorola de cerca de dez milhões de euros.

Esta sexta-feira, o ministro da Finanças, quando questionado sobre estas negociações disse que “estão no quadro que o senhor primeiro-ministro definiu na Assembleia da República”. “Três vetores: são urgentes, e por isso estão a decorrer; são negociações e por isso não se comentam à frente de microfones; e têm um objetivo, que é garantir a permanência da segurança que o SIRESP traz ao sistema nacional de proteção civil, e garantir que, nesse contexto, o Estado possa passar a deter todas as participações na empresa”, disse Mário Centeno aos jornalistas à margem de uma conferência em Lisboa.

São negociações e por isso não se comentam à frente de microfones; e têm um objetivo, que é garantir a permanência da segurança que o SIRESP traz ao sistema nacional de proteção civil.

Mário Centeno

Ministro das Finanças

Já a 13 de maio, quando António Costa anunciou ao Parlamento que uma solução para as negociações entre o Governo e os acionistas do Siresp “estava por horas”, o presidente da Altice foi chamado ao Ministério das Finanças para uma reunião tardia, tendo então ficado decidido que Alexandre Fonseca prepararia uma proposta de pré-acordo para ceder 52% da empresa ao Estado. Esta proposta foi enviada a 16 de maio e até ao momento não surgiu qualquer resposta da tutela.

O Siresp é uma empresa à beira da insolvência e que atualmente reclama 11 milhões de euros ao Estado por ter investido na redundância da rede de comunicações de emergência que falhou nos incêndios trágicos de 2017. Contudo, este é um valor que não recebeu qualquer visto do Tribunal de Contas, pelo que exige uma solução alternativa para ser de alguma forma restituído.

(Notícia atualizada às 11h14 com as declarações de Mário Centeno)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo ainda longe de um acordo no SIRESP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião