Vaga final de sondagens: PS consolida liderança nas intenções de voto graças a derrapagem do PSD

  • ECO
  • 24 Maio 2019

Vantagem do PS varia de 7 a 10 pontos percentuais nas intenções de voto. Ao Bloco ora são atribuídas 11,4%, ora 6,9%. E, segundo o Expresso, nem um terço dos portugueses sabe o nome de um eurodeputado

Última vaga de sondagens antes das Europeias deste domingo reforçam tendência de uma vitória socialista. Os resultados da Eurosondagem publicados esta sexta-feira pelo Jornal I (não disponível online) atribuem 35,5% das intenções de voto ao PS, contra 25,5% para o PSD, enquanto na sondagem da Aximagem publicada pelo Jornal de Negócios e Correio da Manhã são referidos 32,5% contra 25,4%, para PS e PSD, respetivamente.

Mais do que um reforço nas intenções de voto, a subida na vantagem socialista deve-se sobretudo a uma derrapagem do PSD que, em abril, recolhia 31,1% das intenções expressas na sondagem da Aximagem para os jornais do grupo Cofina. Esta evolução tem sido comum a quase todas as sondagens que foram realizadas depois da crise dos professores.

Além das sondagens às intenções de voto, esta sexta-feira são publicados os resultados de um outro tipo de inquérito, pedido pelo Expresso (acesso pago), que se foca no nível de conhecimento dos eleitores em Portugal sobre quem estão a eleger para Bruxelas. De acordo com os resultados, só 31% dos auscultados consegue nomear o nome de um eurodeputado português. Seja por falta de interesse, seja porque preferem decidir em função do nome do partido, certo é que 54% dos inquiridos não conseguiu nomear um eurodeputado e 14% indicou um nome errado, avança o semanário.

Regressando às intenções de voto, é de sublinhar que apesar de tanto a sondagem do Jornal I como a do Jornal de Negócios coincidirem em colocar PS e PSD respetivamente como primeiro e segundo partidos com mais intenções de voto, ainda que com particular variação nas intenções reunidas pelos socialistas — entre os 35,5% e os 32,5% –, algo que não se verifica nos sociais-democratas — 25,5% ou 25,4% –, nos restantes partidos a situação já é totalmente distinta.

O Bloco de Esquerda ora surge como o terceiro, reunindo 11,4% das intenções de voto na sondagem da Aximage para o Negócios, ora como quinto, reunindo 6,9% no apuramento feito pela Eurosondagem – Associação Mutualista Montepio para o Jornal I. E, se a intenção de voto de um dos partidos varia tanto, naturalmente que a dos restantes também é afetada.

A CDU surge como terceiro partido com maiores intenções de voto para o Jornal I, com 7,6%, e como quarto na sondagem da Aximagem para os jornais do grupo Cofina, com 9,3%. Já o CDS varia entre o quarto e o quinto lugar, ainda que com intenções de voto próximas — 7% ou 6,8%.

No campo dos pequenos partidos, ambas as sondagens apenas destacam o Aliança e o PAN, com o partido de Santana Lopes a reunir 2,5% das intenções de voto em ambas, e o PAN a empatar com o Aliança na Eurosondagem/Associação Mutualista Montepio e a ficar-se pelos 1,4% no inquérito publicado pelo Jornal de Negócios/Correio da Manhã.

Veja aqui a ficha técnica da sondagem publicada pelo Jornal de Negócios e Correio da Manhã. A ficha técnica do apuramento publicado esta sexta-feira pelo Jornal I deverá ser consultado ou na edição em papel ou no site da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, onde devem ser publicadas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vaga final de sondagens: PS consolida liderança nas intenções de voto graças a derrapagem do PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião