Alocação de meios para operação stop do Fisco “foi completamente absurda”, diz Manuel Faustino

Antigo diretor do IRS critica duramente a ação de fiscalização da AT e da GNR para cobrar dívidas fiscais e alerta que os demais contribuintes sentem este tipo de pressão nas repartições.

Ainda que a operação stop levada a cabo pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e pela GNR para cobrar dívidas fiscais tenha sido em si mesma legal, a ação foi pontuada por um conjunto de procedimentos que extravasam a lei, considera o fiscalista Manuel Faustino. Em declarações ao ECO, o antigo diretor do IRS critica a utilização “completamente absurda” de meios naquela que foi batizada de “Ação sobre Rodas” e sublinha que o tipo de pressão de que foram alvos os condutores na terça-feira é vivida frequentemente pelos demais contribuintes nas diversas repartições do Fisco.

Na manhã de terça-feira, os condutores de Alfena, em Valongo, foram surpreendidos por uma operação stop levada a cabo por 20 elementos da AT e 10 militares da GNR com o objetivo de cobrar dívidas fiscais. As autoridades estavam a cruzar as matrículas com a situação fiscal dos proprietários destas viaturas, convidando os condutores com dívidas a saldarem esse valores. Caso não o fizessem, GNR e AT estavam em condições de apreender as viaturas, o que terá acontecido em um caso.

“A AT aparentemente fez uso de poderes que a lei não lhe dá. A penhora nos termos legais não implica a apreensão da viatura, implica a apreensão dos documentos. A viatura não fica à guarda do Fisco“, salienta Manuel Faustino. O fiscalista explica ainda que, atualmente, a Administração Fiscal “tem meios internos muito mais eficazes” na sua atuação, sendo estranha esta operação na rua. “Se foi uma manifestação de poder ou de força, foi muito contraproducente. Isto foi um tiro no pé”, defende.

O ex-diretor do IRS deixa ainda outro alerta: “Se em frente das câmaras a AT tem esta manifestação, imagine-se a pressão que acontece dentro dos gabinetes”. Segundo Faustino, a pressão sentida na terça-feira pelos condutores é vivida com frequência pelos demais contribuintes, nas repartições de Finanças, em parte porque os funcionários querem garantir que se concretizam as metas e são distribuídos os prémios de produtividade. “Não é o elemento decisivo, mas que lá está, lá. Não há notícias que alguém tenha abdicado do prémio”, frisa.

Questionado sobre se, tudo somado, a lei precisa de ser alterada para proteger melhor os contribuintes, o fiscalista diz: “O problema está na forma como a AT interpreta o sentido da lei”. Manuel Faustino remata dizendo que essa interpretação tem sido escondida, sendo os cidadãos apanhados de surpresa com as decisões da AT.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alocação de meios para operação stop do Fisco “foi completamente absurda”, diz Manuel Faustino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião