“Não foi uma decisão feliz” e “foi desproporcionada”, diz Centeno sobre a operação stop do Fisco

O Governo reitera que a decisão de fazer uma operação stop para identificar contribuintes com dívidas ao Fisco foi "tomada localmente". Lembra que já foi aberto um inquérito.

O ministro das Finanças lamenta a decisão local de realizar uma operação stop para identificar contribuintes com dívidas ao Fisco. “Não foi feliz” a decisão, disse Mário Centeno, acrescentando que está a ser tudo feito para que não se repita.

A medida foi decidida localmente, tem um enquadramento legal, foi tomada a decisão de suspender e de não haver mais medidas desta natureza“, disse Mário Centeno, em declarações transmitidas pela RTP3. “A medida foi desproporcionada e não aproxima a Autoridade Tributária do cidadão”, acrescentou o ministro das Finanças.

A decisão não foi feliz”, reconheceu.

O ministro das Finanças sublinhou ainda que foi “aberto um inquérito para saber se os direitos de todos os contribuintes foram preservados“. Para Mário Centeno, em operações destas “os decisores podem não fazer uma avaliação correta da proporção face ao objetivo” e por isso foram dadas “instruções claras” sobre como fazer essa avaliação.

Sublinhando que o Governo não tem mais nada a acrescentar, depois das declarações do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, questionado repetidamente se o Ministério não tinha tido conhecimento da operação, Centeno frisou: “Não podemos viver constantemente entre o temor da descentralização e o fulgor da centralização”. “Há competências distribuídas por todo o território”, acrescentou.

Para Mário Centeno “há demasiado dramatismo em torno da operação”. Em causa está a iniciativa “Ação sobre Rodas” que pretendia “intercetar condutores com dívidas às Finanças, convidá-los a pagar e dar-lhes essa oportunidade de pagarem”. No caso de não terem condições “de pagar no momento, estamos em condições de penhorar as viaturas”, especificou uma fonte da Autoridade Tributária.

O espaço legal para que exista este tipo de operações está estabelecido na lei há muito tempo“, lembra Centeno, acrescentando ainda que as forças de segurança definem regularmente quais as operações que são feitas no conjunto do território. Amanhã vão continuar a haver ações de fiscalização sem nenhum problema”, garantiu Centeno que estava numa iniciativa de promoção das faturas eletrónicas, que já ascendem hoje “às centenas e milhares todos os meses”. “Essa é uma dinâmica que tem de ser mantida e reforçada”, frisou.

(Notícia atualizada às 12h00 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não foi uma decisão feliz” e “foi desproporcionada”, diz Centeno sobre a operação stop do Fisco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião