Finanças mandam cancelar operação stop que ameaçava penhorar carros em Valongo por dívidas ao fisco

  • ECO
  • 28 Maio 2019

A iniciativa pretendia “intercetar condutores com dívidas às Finanças, convidá-los a pagar e dar-lhes essa oportunidade de pagarem”. Ministério das Finanças desconhecia operação e mandou cancela-la.

O Ministério das Finanças desconhecia a operação stop desencadeada esta manhã em Valongo pela Autoridade Tributária, em colaboração com a GNR, e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais já deu ordens para que a mesma fosse cancelada.

De acordo com informação de fonte oficial do ministério das Finanças, a ação de fiscalização, que visava intercetar condutores em Alfena, em Valongo, para cobrar dívidas às Finanças, “não foi definida centralmente”.

“As orientações na AT são para atuação proporcional”, diz a mesma fonte, sublinhando que “há hoje mecanismos de penhora eletrónica”.

Informação fornecida esta manhã por fonte da Autoridade Tributária em Alfena, a iniciativa “Ação sobre Rodas” pretendia “intercetar condutores com dívidas às Finanças, convidá-los a pagar e dar-lhes essa oportunidade de pagarem”. No caso de não terem condições “de pagar no momento, estamos em condições de penhorar as viaturas”, acrescentou.

O ministério das Finanças diz que está agora “a verificar o enquadramento em que a respetiva Direção de Finanças definiu esta ação”, mas assegura que a mesma foi já “cancelada por indicação do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais”.

O controlo dos devedores estava a ser feito através de um sistema informático, que se encontrava montado em mesas colocadas na rotunda da Autoestrada 42 (A42), saída de Alfena, distrito do Porto. O sistema informático permitia cruzar dados através das matrículas das viaturas e compara-os com a existência de dívidas ao fisco, explicou a fonte da Autoridade Tributária esta manhã citada pela Lusa.

No local estiveram “cerca de 20 elementos” da AT e 10 militares da GNR. O balanço desta operação regional apenas será conhecido mais tarde, indicou a fonte. A Lusa testemunhou no local a paragem de mais de uma dezena de viaturas.

 

(Notícia atualizada às 14:05 com reação oficial do Ministério das Finanças)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças mandam cancelar operação stop que ameaçava penhorar carros em Valongo por dívidas ao fisco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião