Guerra entre EUA e a China não dá tréguas a Wall Street

As bolsas dos Estados Unidos encerraram em queda, pressionadas novamente pelas tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo.

Os principais índices norte-americanos encerraram em queda, naquela que representa a segunda sessão consecutiva no vermelho. Os investidores continuam atentos, e preocupados, às crescentes tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo, que cada vez mais levantam preocupações relativamente ao crescimento económico norte-americano.

O índice de referência, S&P 500, desvalorizou 0,68% para 2.783,38 pontos, acompanhado pelo industrial Dow Jones que perdeu 0,88% para 25.123,69 pontos. Pelo mesmo caminho foi o tecnológico Nasdaq que caiu 0,79% para 7.547,31 pontos.

Os investidores continuam apreensivos quanto às tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, principalmente depois de Donald Trump ter dito que um acordo entre os dois países está mais longe de ser alcançado. Esta quarta-feira, a imprensa chinesa adiantou que a China está a ponderar travar o fornecimento de metais raros para os Estados Unidos, materiais essenciais para o fabrico de telemóveis.

“O mercado passou de uma postura de pensar que há 100% de hipóteses de haver um acordo comercial, que era apenas uma questão de tempo, para agora basicamente pensar que provavelmente não haverá um acordo”, diz Larry Benedict, fundador da The Trader, citado pela CNBC (conteúdo em inglês).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Guerra entre EUA e a China não dá tréguas a Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião