Madeira com “luz verde” para refinanciar dívida. Estado cobra 0,2% pela garantia

O Estado vai conceder uma garantia à Madeira no âmbito do refinanciamento através da emissão de obrigações com um limite máximo de 355 milhões de euros.

A Madeira precisa de voltar ao mercado para refinanciar a sua dívida. E, agora, já pode avançar com a operação, depois de ter visto aprovada a concessão da garantia por parte do Estado português. O aval tem, contudo, custos. Portugal vai cobrar uma comissão anual de 0,2%.

De acordo com o Diário da República, “a Região Autónoma da Madeira (RAM) pretende emitir um empréstimo obrigacionista com vista a substituir e amortizar diversos empréstimos, anteriormente contraídos por empresas públicas reclassificadas da Região e pela própria RAM, cujo vencimento ocorre no presente ano”.

“Considerando que o refinanciamento da dívida assumida pela RAM contribui para a diminuição da dívida global desta região e, deste modo, para a estabilidade da economia regional e do país como um todo, revestindo-se, assim, de manifesto interesse para a economia nacional”, Ricardo Mourinho Félix aprovou a garantia.

A RAM conseguiu, assim, a concessão de uma “garantia pessoal do Estado, à emissão obrigacionista destinada ao refinanciamento da dívida da RAM, tendo como limite máximo o valor de 355 milhões de euros”. No ano passado, a RAM emitiu mais: foram 455 milhões de euros.

Por este apoio, a Madeira vai pagar “uma comissão de garantia de 0,2 % ao ano”. Ou seja, assumindo a emissão pelo valor máximo, o custo total da garantia para a região será de 7,1 milhões de euros.

De notar que a Madeira conta com um rating de “lixo”, isto quando Portugal goza de notação de investimento de qualidade junto das maiores agências mundiais.

Este encargo juntar-se-á ao que resultar da taxa que a Madeira obtiver na operação de financiamento que está a ser organizada pelo Banco BPI, o BCP, Santander Totta e Caixa – Banco de Investimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Madeira com “luz verde” para refinanciar dívida. Estado cobra 0,2% pela garantia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião