Wall Street recupera com subida dos juros das obrigações

Os principais índices dos Estados Unidos recuperaram das últimas quedas e seguem em alta. A contribuir para este desempenho está a subida dos juros das Obrigações do Tesouro.

As principais bolsas norte-americanas recuperaram das últimas perdas e abriram a valorizar. A contribuir para este desempenho está a recuperação dos juros das Obrigações do Tesouro, aliviando as preocupações sobre uma possível recessão económica. Além disso, as tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo estão a aliviar, depois de Donald Trump ter dito que as negociações estão a correr bem.

O índice de referência S&P 500 está a subir 0,25% para 2.789,82 pontos, acompanhado pelo industrial Dow Jones que está a somar 0,16% para 25.166,36 pontos. Pelo mesmo caminho está a ir o tecnológico Nasdaq, que valoriza 0,41% para 7.578,87 pontos.

Esta recuperação de Wall Street deve-se à subida de três pontos base dos juros das Obrigações do Tesouro com vencimento a dez anos, depois de terem batido mínimos de setembro de 2017 esta quarta-feira. Este cenário deixou os investidores preocupados com uma desaceleração do crescimento da economia dos Estados Unidos, embora este tenha sido revisto em baixa no primeiro trimestre.

A impulsionar também o desempenho das bolsas norte-americanos estão as tensões comerciais, que começam a reduzir as preocupações dos mercados. Isto depois de Donald Trump ter dito, esta quinta-feira, que as negociações com a China estão a correr bem. “Penso que estamos a ir muito bem com a China”, disse o Presidente norte-americano aos jornalistas, durante um discurso na Academia da Força Aérea dos EUA, no Colorado.

“A China adoraria fazer um acordo connosco. Tínhamos um acordo e eles quebraram-no. Penso que se eles tivessem que fazer um novo acordo, não teriam feito o que fizeram“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera com subida dos juros das obrigações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião