Kepler tem os preços-alvo mais certeiros. Veja a quem faz mira na bolsa de Lisboa

O Kepler Cheuvreux acertou em mais de metade dos preços alvos das recomendações que atribuiu em 2018. Saiba que avaliação faz da EDP e EDP Renováveis, Galp Energia, Jerónimo Martins e Nos.

Prever o rumo das ações não é um exercício fácil. Só um em cada três preços-alvo atribuídos pelos bancos de investimento às cotadas nacionais acertam no alvo na bolsa nacional, de acordo com a CMVM. Mas nesse exercício, há quem tenha mais “pontaria”, que é o que procuram os investidores depois de um mês de maio “negro”. É o caso da Kepler Cheuvreux, o mais certeiro em Lisboa. Saiba qual a sua pontaria para as cinco cotadas nacionais que acompanha.

Segundo o Relatório Anual sobre a Atividade de Análise Financeira da CMVM, que avaliou o período compreendido entre outubro de 2017 e setembro de 2018, o banco de investimento francês apresentou um grau de sucesso de 58,3% no alcance dos preços-alvo para a totalidade das recomendações emitidas.

No período considerado, a Kepler Cheuvreux emitiu 13 recomendações de investimento, sobre títulos cotados na praça lisboeta. Com base nos dados disponibilizados pela Reuters, o banco de investimento disponibiliza atualmente recomendações para cinco cotadas do PSI-20. São elas a EDP, EDP Renováveis, Jerónimo Martins, Nos e Galp Energia.

O potencial para as cinco ações acompanhadas pela Kepler

A petrolífera portuguesa está avaliada em 16,00 euros por ação pelos analistas da Kepler. Tendo em conta a queda recente, as ações da Galp Energia passaram a ter um potencial de valorização de 18,7% — o segundo mais elevado do conjunto dos cinco títulos — face aos 13,48 euros a que encerraram o mês de maio. Ainda assim, a recomendação atribuída pela Kepler Cheuvreux é de “manter”.

Recomendação de “manter” é atribuída também à Jerónimo Martins, sendo que neste caso o potencial de valorização é bem menos expressivo. A dona do Pingo Doce está a cotar nos 13,625 euros por ação, apresentando uma margem de progressão de mais de 5% face à avaliação de 14,35 euros que é feita para os seus títulos.

Para as restantes três cotadas nacionais a recomendação atual é de “comprar”, embora a perspetiva da Kepler para a Nos seja bem mais positiva do que para a EDP ou a EDP Renováveis. No caso da operadora de telecomunicações, a margem de progressão é bastante expressiva. O target de 7,3 euros está 29% acima do atual valor das ações: 5,655 euros.

No que respeita à EDP, a margem de progressão é ligeira, de 1,3% face aos 3,259 euros atuais — a avaliação do banco de investimento é de 3,30 euros –, já quanto à EDP Renováveis, a margem é, pelo contrário, de descida. A EDP Renováveis tem um preço-alvo de 8,40 euros. Ou seja, 5,6% acima dos 8,90 euros a que está em bolsa.

Apesar deste banco se ter destacado em 2018 como o mais certeiro nas recomendações atribuídas na praça bolsista nacional, nada garante que tal volte a acontecer este ano. Basta ver o que aconteceu em 2017.

A Kepler Cheuvreux, a par do BNP Paribas (50%) e da Jefferies (45,5%) que também se destacaram entre as mais certeiras no ano passado, não tinham surgido em posição de relevo nas avaliações atribuídos no relatório de 2017, situação que a CMVM diz sugerir “não existir persistência ‘temporal’ de casos de sucesso entre os intermediários financeiros”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Kepler tem os preços-alvo mais certeiros. Veja a quem faz mira na bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião