Há debate quinzenal. BE ataca Governo com transportes públicos

  • Lusa
  • 6 Junho 2019

Além dos transportes públicos, Bloco de Esquerda vão também pôr em cima da mesa as políticas da saúde e sociais no debate quinzenal com o primeiro-ministro.

O BE leva hoje ao debate quinzenal com o primeiro-ministro, no parlamento, a degradação dos transportes públicos, numa altura em que os partidos exigem maior oferta de serviços, mas o ministro da tutela nega o “caos” no setor.

“Não é por dizer que há o caos que há o caos. Não há caos coisíssima nenhuma”, frisou, na quarta-feira, no plenário da Assembleia da República, o ministro do Ambiente e Transição Energética, José Matos Fernandes, depois de o deputado único do PAN, André Silva, ter descrito “um quadro de pleno caos” no Metropolitano de Lisboa.

Também na quarta-feira, a Comissão Europeia recomendou a Portugal um aumento dos investimentos nas áreas dos transportes e da inovação, nomeadamente para resolver as “insuficientes ligações marítimas e ferroviárias” e as “disparidades regionais”.

Os bloquistas, que serão os primeiros a intervir no debate quinzenal com o primeiro-ministro, vão também pôr em cima da mesa as políticas da saúde e sociais, quando se debate uma nova Lei de Bases da Saúde, que está a ser votada em sede de grupo de trabalho na Assembleia da República, tendo a votação de artigos polémicos, como as parcerias público-privadas (PPP), sido adiada para 11 de junho.

O PS quer que a nova lei expresse que a gestão dos estabelecimentos de saúde é pública, “podendo ser supletiva e temporariamente assegurada por contrato com entidades privadas ou do setor social”, uma solução que os partidos à esquerda rejeitam, não querendo a referência a entidades privadas na gestão da saúde.

Para o debate quinzenal com o primeiro-ministro, o PS irá ainda levar à discussão “questões económicas e sociais”, enquanto o PAN indicou que irá falar sobre “direitos das crianças”.

O PEV indicou como temas “questões ambientais, sociais e económicas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há debate quinzenal. BE ataca Governo com transportes públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião