CDS quer caso no Ministério Público se se provar que Constâncio mentiu

  • Lusa
  • 7 Junho 2019

“As pessoas não podem vir mentir às comissões de inquérito”, defendeu a vice-presidente do partido e da bancada Cecília Meireles, em declarações aos jornalistas no parlamento.

O CDS-PP defendeu que, caso se comprove que o antigo governador do Banco de Portugal mentiu à comissão parlamentar de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), o caso deve ser entregue ao Ministério Público porque “tem contornos criminais”.

“As pessoas não podem vir mentir às comissões de inquérito”, defendeu a vice-presidente do partido e da bancada Cecília Meireles, em declarações aos jornalistas no parlamento.

Tal como PSD, BE e PCP, o CDS considera que Constâncio deve ser novamente ouvido pelo parlamento e deve ser exigido o acesso às atas do Banco de Portugal para se analisar a veracidade do seu primeiro depoimento.

“Caso se comprove que mentiu, deve enviar-se imediatamente para o Ministério Público, porque o caso tem contornos criminais”, afirmou, acrescentando que “quase todas as contas” que os portugueses andam hoje a pagar relativas aos bancos “têm a sua raiz na supervisão Vítor Constâncio”.

PSD, BE e PCP anunciaram esta sexta-feira que vão pedir uma nova audição de Vítor Constâncio na comissão de inquérito sobre a Caixa, depois de notícias que contrariam o seu depoimento sobre a concessão de crédito a José Berardo em 2007.

O jornal Público noticia que Vítor Constâncio omitiu do parlamento que, em 2007, quando era governador do Banco de Portugal autorizou o investidor José Berardo a levantar 350 milhões da CGD para comprar ações do BCP.

De acordo com o Público, esta omissão coloca em causa o depoimento de 28 de março, na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD, ocasião em que o ex-vice-presidente do Banco Central Europeu disse que o supervisor não podia saber que a CGD ia financiar Berardo, antes de o crédito ser dado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS quer caso no Ministério Público se se provar que Constâncio mentiu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião