Caso Constâncio “coloca em causa credibilidade do sistema”, afirma Mariana Mortágua

  • ECO
  • 7 Junho 2019

O caso Vítor Constâncio, "que não se lembra de nada, quando sabemos, meses depois, que conhecia", é uma prova que põe em causa a credibilidade do sistema, diz deputada bloquista.

Não podemos mais ouvir Vítor Constâncio dizer que não se lembra de nada, quando sabemos, meses depois, que conhecia”, disse Mariana Mortágua esta manhã de sexta-feira, no Parlamento, acrescentando que “é isto que coloca em causa a credibilidade do sistema financeiro”.

De acordo com o Expresso (acesso livre), a deputada do Bloco de Esquerda referia-se à notícia que dava conta que o ex-governador do Banco de Portugal (BdP) e antigo vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) deu luz verde a que Joe Berardo investisse no Banco Comercial Português através de um crédito da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Para Mortágua, este é um dos casos que coloca a credibilidade do sistema em causa. A reforma da supervisão, promovida pelo Governo, tem de combater a ideia de que o lugar do governador do Banco de Portugal não pode estar acima de quaisquer críticas, continuou a deputada. As declarações da bloquista aconteceram durante o debate sobre a reforma da supervisão financeira.

De acordo com o jornal Público (acesso condicionado), as declarações de Vítor Constâncio na comissão de inquérito à CGD, onde afirmou que não sabia nada sobre o financiamento do banco ao empresário madeirense, são contrariadas por documentação que mostram que a decisão foi levada ao conhecimento e mereceu o aval do conselho de administração do supervisor, por si liderado em 2007 e 2008.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caso Constâncio “coloca em causa credibilidade do sistema”, afirma Mariana Mortágua

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião