De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da Time contra as alterações climáticas

A próxima edição da Time vai ter um português na primeira página. É António Guterres, secretário-geral da ONU, que dá a cara num artigo sobre o combate às alterações climáticas.

A próxima edição da Time vai ter um português na capa. Vestido de fato, com água até aos joelhos, é assim que António Guterres aparece na primeira página da conceituada revista norte-americana, dando a cara pela luta contra as alterações climáticas enquanto secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Vai para as bancas a 24 de junho.

“O nosso planeta a afundar” — Our sinking planet — é a manchete da próxima edição, um título que é acompanhado de três factos relativos às alterações climáticas: níveis dos mares a aumentar, residentes em fuga, cidades a desaparecer. A foto do antigo primeiro-ministro português foi captada em Tuvalu, “um dos países mais vulneráveis” ao flagelo, de acordo com a revista. A fotografia é da autoria do fotojornalista Christopher Gregory

“Enfrentando uma subida do nível da água do mar, as nações insulares estão a liderar o combate contra as alterações climáticas”, acrescenta a Time, alegando que o resto do mundo tem muito a aprender com eles. Nesse artigo, o português aponta que o fenómeno “oferece uma oportunidade para o multilateralismo mostrar o seu valor”. O artigo completo, que já foi publicado na versão online da revista, pode ser lido aqui.

A Time publicou ainda, no Twitter, um vídeo com uma montagem a promover a capa da próxima edição, no qual Guterres vai gradualmente ficando submerso:

As alterações climáticas são provocadas pela emissão de gases com efeito de estufa decorrentes da atividade humana, sobretudo da queima de combustíveis fósseis. Nos últimos anos, o ritmo das alterações tem vindo a aumentar, desencadeando o aquecimento global e o degelo dos glaciares, fazendo subir o nível dos oceanos.

Outras das consequências são as ondas de calor e secas cada vez mais frequentes. Segundo a WWF, “as mudanças climáticas são a maior ameaça ambiental do século XXI, com consequências profundas e transversais a várias áreas da sociedade: económica, social e ambiental”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

De fato e com água até aos joelhos, António Guterres é capa da Time contra as alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião