OPEP revê em baixa procura mundial de petróleo este ano

  • Lusa
  • 13 Junho 2019

O cartel do petróleo reviu em baixa a previsão relativa à procura mundial de petróleo para 99,86 milhões de barris diários.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) prevê que a procura mundial de crude avance, este ano, para 99,86 milhões de barris diários, menos 70.000 do que o valor estimado no mês anterior, anunciou o cartel do petróleo.

No seu relatório mensal, que foi hoje divulgado, a OPEP apontou assim que a procura mundial vai subir em 1,14 milhões de barris por dia. Por outro lado, o grupo de produtores mantém a previsão de crescimento da economia mundial em 3,2% este ano, mas adverte que o aumento das disputas comerciais, sobretudo entre os Estados Unidos e a China, pode levar a “um menor crescimento a curto prazo”.

Para a OPEP, a tensão comercial entre Washington e Pequim tem provocado alguma incerteza sobre a evolução da economia, o que, por sua vez, levou à alta volatilidade dos preços do petróleo registados nas últimas semanas.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, tem vindo a subir gradualmente as taxas alfandegárias impostas a produtos chineses, com o pretexto de querer reduzir o gigantesco défice comercial dos Estados Unidos com a China. Por sua vez, a China, que tem retaliado as medidas dos Estados Unidos, afirma que quer continuar as negociações comerciais, mas recusa a pressão norte-americana.

A produção dos 14 sócios da OPEP caiu em maio em 236.000 barris por dia, impactada, sobretudo, pelo Irão com uma descida de 227.000 barris diários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPEP revê em baixa procura mundial de petróleo este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião