Portugal em risco de violar metas orçamentais em 2020, diz análise ao Programa de Estabilidade

Análise dos técnicos da Comissão Europeia ao Programa de Estabilidade para 2019 diz que Portugal não deve atingir o equilíbrio previsto por Centeno em 2020, nem a regra de redução da dívida pública.

Portugal está em risco de violar todas as regras orçamentais europeias em 2020 caso não tome mais medidas, ou a economia portuguesa não tenha um desempenho melhor que o esperado por Bruxelas, diz a análise ao Programa de Estabilidade de 2019 submetido pelo Governo português a Bruxelas no passado mês de abril, divulgada esta sexta-feira. De acordo com os cálculos, Portugal não reduziria o défice estrutural em 2019 e 2020, falhando o Objetivo de Médio Prazo, nem a regra da despesa e passaria a estar em incumprimento da nova regra de redução da dívida pública.

A nota preparada pelos técnicos da Direção-Geral de Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, que está na dependência do comissário europeu Pierre Moscovici, sublinha que o saldo estrutural este ano não só não vai diminuir — como o Governo aponta nas suas previsões — como deverá agravar-se, e para o próximo ano não terá qualquer alteração.

A concretizar-se este cenário, Portugal não cumpriria o ajustamento anual a que está obrigado pelo Conselho da União Europeia — tanto num ano, como para a média dos dois anos –, ficando também aquém da margem de segurança dada pela Comissão Europeia.

Os técnicos estimam também que a despesa cresça mais do que o previsto pelo Governo e viole (mais uma vez) o limite que as regras impõem. Isto já terá acontecido em 2018, e, segundo as previsões da Comissão Europeia, deverá voltar a acontecer em 2019 e 2020.

No Programa de Estabilidade para 2019, o Governo prevê que em 2020 as metas orçamentais sejam cumpridas e o ajustamento seja feito ao nível exigido pela Comissão Europeia, mas Bruxelas tem um entendimento diferente, e diz que existe o risco de um desvio significativo tanto em 2019, como em 2020.

Como Mário Centeno tem dito publicamente, e está inscrito no Programa de Estabilidade, o Governo prevê eliminar o défice estrutural em 2020, mas os técnicos da Comissão não acreditam nestas previsões: “Não se prevê que Portugal atinja o novo Objetivo de Médio Prazo em 2020”.

Este Objetivo até já é mais benévolo que o estipulado até este ano. Até 2019, Portugal tinha que atingir um saldo estrutural positivo de 0,25% do PIB, mas a partir de 2020 esse objetivo é revisto para um saldo estrutural nulo, ou seja, 0%.

Os técnicos deixam ainda mais um aviso ao Governo português. Se até aqui, Portugal estava a reduzir a dívida pública a um ritmo satisfatório para o período transitório — desde a saída do Procedimento dos Défices Excessivos –, a partir do próximo ano, quando Portugal passa a estar sujeito às mesmas regras que todos os outros países, essa regra já não vai ser cumprida.

Esta nova regra da dívida, criada apenas na sequência da crise financeira, permite à Comissão Europeia abrir um Procedimento dos Défices Excessivos mesmo que o défice não seja superior aos 3% de referência inscritos no Tratado de Maastricht. Foi essa a justificação usada para a Comissão Europeia recomendar a abertura de um PDE a Itália há pouco mais de uma semana.

Em teoria, a confirmarem-se estes dados — envoltos numa dose elevada de incerteza devido à dificuldade nos cálculos do saldo estrutural –, a Comissão Europeia poderia exigir ao novo Governo mais medidas para corrigir a situação (e caso o Governo não as tomasse, avançar com um processo que em última análise levantaria a hipótese de sanções).

No entanto, os comissários dispõem de margem de manobra política para evitar chegar a este ponto, à luz das orientações criadas por esta Comissão para a leitura dos resultados, especialmente em casos onde não há uma violação da regra dos 3% de défice global.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal em risco de violar metas orçamentais em 2020, diz análise ao Programa de Estabilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião